Boa Cama Boa Mesa

Os novos restaurantes do Porto que tem de conhecer em 2023

3 janeiro 2023 12:22

Abriram portas ainda em 2022 mas prometem fazer furor à mesa ao longo do novo ano. Nestes sete restaurantes do grande Porto aposta-se nos melhores ingredientes nacionais que brilham em pratos baseados na tradição, com um toque muito contemporâneo.

3 janeiro 2023 12:22

Peixes, mariscos, carnes portuguesas, cozinha japonesa ou o sempre apetecível bacalhau? Nestes novos restaurantes do grande Porto estão reunidos todos os ingredientes para um ano próspero à mesa.

Escama

Escama

Escama
Maioritariamente dedicada ao mar. Assim é a cozinha do Escama que elogia o amplo oceano que banha a costa portuguesa em toda a extensão da ementa. Apostado numa cozinha de autor, sofisticada e experimental, oferece uma viagem sensorial sempre ondulada pelo mar. “Sopa de Peixe, enguia fumada e algas” (€8); “Tártaro de Cavala” (€11) ou “Bivalves da Ria de Aveiro à Bolhão” (€12) são algumas das entradas a que se seguem o “Bacalhau fresco” (€20), o “Robalo corado” (€25), o “Pregado na brasa” (€27) e, para variar, também o “Lombinho de porco na brasa e as favas com chouriço” (€22), além do vegetariano, “Legumes na brasa” (€18). Tanto ao almoço como ao jantar, pode ainda optar por um Menu Degustação de quarto ou seis momentos, harmonizado com vinhos nacionais. À sobremesa destacam-se “Panacotta”, “Banana Split” e “Queijo da Serra”. O restaurante Escama (Rua Mouzinho da Silveira, 203, Porto. Tel. 913595551) encerra à terça e quarta-feira.

Portie

Portie

Portie
“Cool fine dining” é o autorretrato deste espaço situado na bonita zona portuense do Passeio Alegre. Com o Douro ali tão perto e o mar ao virar da esquina, o chef António Lobo Xavier criou o “Crepe 2.0”, com gamba, lingueirão, manteiga (€15); o “Tiradito”, de lírio, abacate, lima (€18) ou o “Mar e Terra”, com garoupa, foie gras, leite tigre (€18), como entrada. Prossiga com os principais, nessa ementa divididos entre Contemporais, como a “Açorda, mas de Itália”, tomate, ovo BT, pão (€14); “Not So Carbonara”, massa fresca, guanciale, pecorino (€15) e o “Robalo e Arroz 2.0”, robalo, risotto, espargos (€24), e os Comensais: “Naco”, posta de carne grelhada, jus, guarnições (€58) e “Taco”, cachaço BT, folhas de tortilha, guarnições (€52). A sobremesa (desde €7) pede “Gioia”, chocolate, pistácio, azeite extra virgem, “Basco”, manchego, sagu, vinho ou “Tarte”, massa folhada, pera e nata. Acompanhe com cocktails clássicos ou de autor. O Portie (Rua do Passeio Alegre, 552, Porto. Tel. 915062742) só abre ao jantar, exceto ao sábado, quando funciona também ao almoço. Encerra ao domingo.

Restaurante da Casa da Companhia

Restaurante da Casa da Companhia

Rino
Tem apenas oito lugares, balcão aberto e vista para a magia desta cozinha delicada e consciente cujas mãos de Masaki Onishi encantaram, durante muitos anos, os clientes do restaurante Ichiban, na Foz. Agora em nome próprio, recria uma isakaya – tasca japonesa -, numa alusão à autêntica cozinha nipónica que aqui quer praticar com base em ingredientes de grande frescura. Cavala, carapau ou sapateira transformam-se em grandes pratos após passarem pela grelha, a tempura ou simplesmente a mão do sushimen. O Rino (Rua Dr. Manuel Rodrigues de Sousa, 53, Matosinhos. Tel. 932885718) encerra ao domingo e à segunda-feira.

Restaurante da Casa da Companhia
Entre as grossas paredes de pedra, na hoje movimentada Rua das Flores viveu a Real Companhia Velha. O edifício secular transformou-se em hotel de charme respeitando a memória, a ligação aos socalcos durienses e alberga hoje um novo restaurante que segue a mesma matriz. A ementa alude a memórias, cruza tradições e influências com base em ingredientes bem portugueses, vestidos de sofisticação e com um toque de viagens exóticas que marcam a experiência do chef Duarte Batista por diversas cozinhas. Na pequena e sofisticada sala, decorada em quentes tons de laranja, com espaço para duas dezenas de comensais, prove “Tártaro Barrosã” (€27); “Ovo e Ervilha” (€16), “Tártaro de Carabineiro” (€48), ou a reconfortante “Sopa da Nossa Costa” (€21), que preenchem o capítulo dedicado às entradas. Nos principais, do mar chegam o “Polvo” (€30), o “Salmonete Braseado” (€34) e o “Linguado a Baixa Temperatura” (€32). Nas carnes destacam-se pratos ligados diretamente à cozinha portuguesa, como a “Barriga de Porco” (€30), ou o “Novilho” (€38). É difícil escolher o remate entre o “Chocolate e Avelã” (€15); a “Maçã e Baunilha de Bourbon” (€12) e a “Lichia e o Cocktail” (€18). O restaurante da Casa da Companhia (Rua das Flores, 69, Porto. Tel. 229 761 020) está aberto todos os dias das 19h30 às 22h30, exceto às terças e quartas-feiras, dias de encerramento.

Mercearia do Bacalhau

Mercearia do Bacalhau

Mercearia do Bacalhau
Sem surpresas, a ementa deste restaurante e mercearia fina localizado na Maia é dedicada quase em exclusivo ao fiel amigo da mesa. O bacalhau é trabalhado em receias tradicionais sempre com um oque contemporâneo. São exemplos a “Sopa rica de peixe e bacalhau” (€9.5), a Punheta de bacalhau, húmus e tostada” (€6), para começar, o “Arroz de bacalhau, tomate e grelos”, a “Feijoada, açorda, massada” (€29) ou “Cataplana”, onde o bacalhau alinha com camarão (€39). Pode também pedi-lo à posta, para confitar, grelhar, assar ou fritar (desde €34). Termine com “Pudim Abade de Priscos”, “Bolo Mousse de Chocolate” ou “Tarte folhada de pêra bêbada em Moscatel Roxo” (€6). A Mercearia do Bacalhau (Rua Ângela Adelaide Calheiros Carvalho Meneses 266, Maia. Tel. 915084351) abre de segunda a domingo, das 12h00 às 15h00 e das 19h00 às 23h00 e, além do restaurante soma-se uma mercearia fina, com diversos produtos nacionais selecionados onde não fala bom bacalhau.

Mind The Glass
As mais de 600 referências vínicas dão-se a conhecer logo à entrada, evidenciando a vertente de garrafeira e wine bar do Mind The Glass. Instalado no coração do Porto, com uma esplanada coberta – e aquecida tanto se adequa a um copo a fim da tarde como a um jantar demorado. Sob a luz das imensas janelas da sala do fundo degusta-se uma ementa baseada na cozinha tradicional portuguesa e nos produtos da estação, desenhada pelo chef Henrique Ferreira, residente da Casa de Santar, no Dão. Sugerem-se petiscos que ligam na perfeição com um copo de vinho, como é o caso, para partilhar, do “Creme de castanhas, pétalas de porco bísaro e tomilho” (€5); a “Batata camponesa, notas de trufa branca e queijo S. Jorge” (€5,50); as “texuras de figo pingo de mel e queijo veludo de cabra” (€8) ou o “tártaro de atum rabilho dos Açores” (€14). Há sandes de “Bochecha de vitela” (€13,50), “Filete de polvo” (€17,50) e “Bifana de seitan” (€8,50) e diversos tachinhos, como o “Brás de alheira” (€9,50), o “Macarronete de espinafres e queijo azul da arrábida” (€9,50); a “Cevadinha de cogumelos silvestres” (€10,50); o “Fricassé de perdiz” (€10,50) ou o “Malandrinho de camarão e mexilhão” (€13,50). . À sobremesa há várias inspirações de inspiração tradicional, como o “Pudim Abade de Priscos, crumble de aveia e pêssego assado no forno com alecrim e flor de sal”. Quinta-feira é noite de animação, seja com as Wine Talks, conduzidas pelo jornalista Mário Augusto ou diferentes géneros musicais que sobem ao palco do Mind the Music. O Mind the Glass (Praça de Gomes Teixeira 36, Porto. Tel. 913093932), está aberto de terça a sexta, entre as 16h00 e a meia-noite; sextas e sábados até às 2h00. O bistrô funciona a partir das 16h00 para petiscos; para jantares entre as 19h30 e a meia-noite.

Ilícito

Ilícito

jose monica

Ilícito
A viagem pelo imaginário, diversão e colorido do circo começa no bar do restaurante Ilícito, do The Editory Boulevard Aliados Porto Hotel, dominado pelo burlesco e onde até pode fazer a leitura do tarot!
Com cozinha aberta para a sala, a decoração envolvente em diversos tons de rosa e as obras de arte convivem com louça desenhada propositadamente para o restaurante que perpetua a provocação e o humor à mesa. O Ilícito sugere dois menus de degustação desenhados pelo chef André Silva, responsável pela cozinha dos hotéis do grupo Sonae, para quem esse é o “filho rebelde”. O Malabarista, de sete momentos, começa com “Nabos de bacalhau”, “Petinga e wonton” e “Trufa de Rabo de Boi”, para introdução, seguindo-se o I Ato, “Salmão marinado e vieiras” e, no II Ato, “Raia e coco” e “Presa de porco e milho”. Para o III Ato está reservada “Batata-doce e a cenoura”. O menu custa €60, a que acrescem €40 para harmonização vínica. Mais arriscada, a degustação Trapezista começa com os mesmo momentos, mas apresenta “Carabineiro e lula” e “Lavagante e frango de churrasco” no I Ato; “Rodovalho e funcho” e “Magret de Pato e Alcachofras” no II, terminando com “Ruibarbo e flor de laranjeira”. Custa €80, a que acrescem €60 para a harmonização com vinhos. Existe ainda um menu vegetariano com igual número de momentos. O restaurante Ilícito (Avenida dos Aliados, 141 – 147, Porto. Tel. 222411203), também com entrada pela rua do Almada) abre apenas para jantar, a partir das 19h30. Com murais alusivos ao circo nas paredes da autoria de Sofia Torres, o bar Ilícito acrescenta música ao menu todas as sextas e sábado. Está aberto diariamente entre as 1h00 e as 23h00, exceto à sexta e sábado, quando encerra à 1h00.

Acompanhe o Boa Cama Boa Mesa no Facebook, no Instagram e no Twitter!