Blitz

Debaixo de fogo, Kanye West falou. E disse isto: “agora sei como é ter um joelho no pescoço”

30 outubro 2022 12:26

getty images

Será isto um pedido de desculpas de Kanye West? Talvez sim, talvez não, e muito pelo contrário

30 outubro 2022 12:26

Após ter sido abordado por um grupo de paparazzi, na passada sexta-feira, Kanye West deu uma conferência de imprensa improvisada onde fez o que está a ser encarado como uma espécie de pedido de desculpas (relutante e enviesado) à família de George Floyd.

O músico, que foi processado pela família de Floyd após ter afirmado que este morreu “porque estava drogado”, e não porque foi alvo de violência policial, disse que o vídeo que mostra o homem a ser subjugado por um polícia lhe “parte o coração”, um discurso reproduzido pelo site “Consequence”.

“Sei que os polícias atacam e que os Estados Unidos são genericamente racistas”, afirmou, acrescentando imediatamente: “Mas houve algumas situações em que o dinheiro [do movimento Black Lives Matter] foi usado para nos fazer votar no Partido Democrata”.

“Quando questionei a morte do George Floyd, magoei o meu povo. Quero pedir desculpas por isso, porque agora sei, porque Deus mo mostrou através da Adidas e dos media, como é ter um joelho no pescoço”. "Obrigado, Deus, por me obrigares a ser mais humilde. Como poderão os negros mais ricos ser mais humildes, se não for por deixarem de ser bilionários à conta de um comentário", continuou.

Kanye fez ainda uma referência aos seus comentários antissemitas: “Não entendi que podia ser antissemita até ler uma definição de antissemitismo. Não entendi que era antissemita dizer que o meu advogado é judeu, a minha editora também e tenho um empreiteiro judeu”.

Antes de terminar, Kanye voltou a comparar a organização Planned Parenthood ao Holocausto, e afirmou que os seus problemas de saúde mental foram “mal diagnosticados por um médico judeu”. Veja o vídeo: