Autárquicas 2017

Mulheres a mandar nas autarquias, procuram-se. Em 1976 eram cinco, hoje são 31

17 outubro 2017 18:00

Tomada de posse de Maria de Lurdes Breu como presidente da Câmara de Estarreja, a 3 janeiro 1977

foto cedida pela cooperativa para o ensino e reabilitação de crianças inadaptadas de estarreja, crl (cerciesta)

São apenas 10% dos presidentes de câmara eleitos dia 1 de outubro. A conquista do poder pelas mulheres teve avanços e recuos nos últimos 40 anos. Porque será? As primeiras mulheres a serem eleitas em 1976 recordam as dificuldades, as reuniões a que presidiram e as conquistas. “Hoje a intervenção feminina é mais robusta, informada e acutilante”, diz a veterana Maria de Lurdes Breu, que esteve cerca de 20 anos à frente da Câmara de Estarreja

17 outubro 2017 18:00

Eram apenas cinco mulheres que, em janeiro de 1977, tomaram posse das autarquias onde foram eleitas — Estarreja, Mealhada, Coimbra, Sardoal e Vagos —, num mapa de 302 municípios. Uma das autarcas foi Francelina Chambel que, aos 42 anos, chegaria a presidente da Câmara do Sardoal. “Encarei o desafio como uma coisa absolutamente nova”, conta ao Expresso a ex-autarca, hoje com 83 anos.