Justiça

Juíza ordena agressor a levar vítima de violência doméstica a jantar fora. Conselho Superior de Magistratura diz não poder "interferir"

21 janeiro 2023 17:53

Helena Bento

Helena Bento

Jornalista

Rui Gustavo

Rui Gustavo

Jornalista

getty images

Uma juíza do Tribunal da Amadora responsável por um caso de violência doméstica, em que foi dado como provado o crime de ofensa à integridade física, decidiu suspender “provisoriamente” o processo e obrigar o agressor a fazer um “passeio lúdico” com a vítima e levá-la a jantar fora, a concertos, espetáculos e teatro. Conselho Superior de Magistratura diz estar a acompanhar a situação “no âmbito das suas competências”

21 janeiro 2023 17:53

Helena Bento

Helena Bento

Jornalista

Rui Gustavo

Rui Gustavo

Jornalista

O crime de ofensa à integridade física foi dado como provado em tribunal, mas a juíza do Tribunal da Amadora responsável pelo caso de violência doméstica decidiu suspender o processo e seguir a recomendação de uma procuradora do Ministério Público: obrigar o agressor, companheiro da mulher que foi vítima de violência, a realizar um "jantar e passeio lúdico com a ofendida", entre outras atividades, como ir a "concertos, espetáculos, revista e teatro". A vítima terá de concordar com esta opção.