Justiça

Pinto Moreira nega "categoricamente" que tenha "recebido o que quer que seja"

17 janeiro 2023 18:35

Numa declaração aos jornalistas no parlamento na qual não respondeu a perguntas, Pinto Moreira reiterou que está "totalmente disponível para colaborar com a justiça, no tempo e no modo que a justiça entender por conveniente"

17 janeiro 2023 18:35

O deputado do PSD Joaquim Pinto Moreira, que foi alvo de buscas no âmbito da operação Vórtex, negou esta terça-feira "categoricamente que tenha recebido o que quer que seja" e reiterou que está disponível para colaborar com a justiça.

"Nego categoricamente que tenha recebido o que quer que seja e nego categoricamente que tenha tido qualquer comportamento menos ético", afirmou o deputado social-democrata e ex-presidente da Câmara Municipal de Espinho entre 2009 e 2021.

Numa declaração aos jornalistas no parlamento na qual não respondeu a perguntas, Pinto Moreira reiterou que está "totalmente disponível para colaborar com a justiça, no tempo e no modo que a justiça entender por conveniente".

Pinto Moreira insistiu ainda que não foi constituído arguido no âmbito da operação Vórtex: "portanto, não conheço nenhuma imputação sobre mim".

O “Correio da Manhã” noticia hoje que o Ministério Público alega que houve um suborno tanto a Pinto Moreira como a Miguel Reis, presidente da Câmara de Espinho eleito pelo PS que se encontra em prisão preventiva e que entretanto renunciou ao mandato autárquico, referindo uma escuta telefónica ao empresário Francisco Pessegueiro.

No passado dia 12 de janeiro, em entrevista à SIC, o líder do PSD, Luís Montenegro, afirmou que Joaquim Pinto Moreira iria deixar a vice-presidência do grupo parlamentar social-democrata e a presidência da comissão parlamentar de revisão constitucional, após ter sido alvo de buscas domiciliárias no âmbito da operação Vórtex.

Hoje, o grupo parlamentar anunciou que ex-secretário-geral do PSD José Silvano vai substituir Pinto Moreira na presidência desta comissão.

O presidente da Câmara de Espinho, Miguel Reis (PS), - que entretanto renunciou ao mandato - um funcionário desta e três empresários foram detidos na terça-feira por suspeitas de corrupção ativa e passiva, prevaricação, abuso de poderes e tráfico de influências na Operação Vórtex.

No âmbito desta operação, a residência de Joaquim Pinto Moreira também foi alvo de buscas e o seu computador e telemóvel foram apreendidos.

Joaquim José Pinto Moreira foi eleito deputado pela primeira vez nas legislativas de 2022, tendo chegado a vice-presidente da bancada social-democrata na direção de Joaquim Miranda Sarmento, já depois de Luís Montenegro assumir a presidência do PSD.

Recentemente, Pinto Moreira foi indicado pelo PSD para presidir à Comissão Eventual de Revisão Constitucional, tomou posse a 04 de janeiro e conduziu na quinta-feira ao final do dia a primeira reunião efetiva dos trabalhos, sem fazer qualquer referência à sua saída iminente.

O deputado já afirmou várias vezes estar disponível para o levantamento imediato da imunidade parlamentar, se tal for solicitado.