Coronavírus

Covid-19: 13 mortes e 1635 infetados em Portugal nas últimas 24 horas. Incidência continua a subir mas R(t) desce

29 novembro 2021 14:21

Mara Tribuna

Mara Tribuna

Jornalista

O boletim da Direção-Geral da Saúde assinala, esta segunda-feira, 809 internamentos (mais 45 do que na véspera), 111 dos quais estão em cuidados intensivos (mais sete). É preciso recuar a agosto e setembro para encontrar números tão altos

29 novembro 2021 14:21

Mara Tribuna

Mara Tribuna

Jornalista

O boletim covid-19 da Direção-Geral da Saúde dá conta, esta segunda-feira, de mais 13 mortes, 1635 infetados e 971 recuperados em Portugal, nas últimas 24 horas.

Os internamentos não param de subir: há mais 45 pessoas nos hospitais do país, com o total a ser agora de 809 internados — o número mais alto em mais de três meses, em rigor desde o dia 10 agosto.

A subida também se verifica nas unidades de cuidados intensivos: há mais sete doentes. No total, são 111 os pacientes internados em UCI (é preciso recuar até meados de setembro para encontrar um valor mais alto).

Os casos hoje (1635) baixaram face à véspera, mas importa lembrar que às segundas-feiras o número de infetados costuma ser mais baixo devido à menor atividade dos laboratórios de testagem ao fim de semana. De qualquer forma, o número de casos positivos está bem abaixo da média dos últimos sete dias (2940,6 infeções) e também dos últimos 30 dias (1815,1).

Já as mortes aumentaram ligeiramente face aos últimos três dias: há mais 13 óbitos por covid-19 a lamentar esta segunda-feira, o que corresponde exatamente à média dos últimos sete dias. As mortes parecem estar com uma tendência crescente porque o número reportado hoje está acima dos óbitos dos últimos 30 dias (média de 9,1).

A matriz de risco assinala uma descida do R(t), ou índice de transmissibilidade, para os 1,17 na globalidade do território nacional e 1,18 no continente (era de 1,19 e 1,20, respetivamente, na sexta-feira).

A incidência continua a crescer: está agora nos 325,9 casos por 100 mil habitantes no território nacional e 327,5 no continente — números ao nível do que se registava em meados de agosto, mas ainda distante do pico nacional desde que há registo, em março: 428,3, a 28 de julho. Na última análise, na sexta-feira, os valores eram de 279,8 e 280,2, respetivamente, estando a fasquia do risco elevado situada nos 240 casos por 100 mil habitantes.

Os números gerais da pandemia desde que surgiu em Portugal o primeiro caso de covid-19, em março de 2020, são os seguintes: 1.144.342 infetados, 1.071.544 recuperados e 18.430 óbitos. Há ainda 54.368 casos ativos, mais 651 do que na véspera, e 61.850 contactos em vigilância (mais 1220 do que ontem).

Norte com mais novos casos do que Lisboa

Ao contrário do que tem sido habitual nos últimos meses (e era regra há 18 dias consecutivos), foi o Norte (575) — e não Lisboa e Vale do Tejo (490) — a região a contabilizar mais infeções esta segunda-feira.

Imediatamente a seguir a estas duas regiões estão, por ordem, o Centro com 284 casos no último dia, o Algarve com 156, a Madeira com 73, o Alentejo com 37 e finalmente os Açores com 20.

Por último, quanto aos óbitos por região, Lisboa e Vale do Tejo contabiliza quatro mortes, a Madeira três, o Centro duas, o Algarve duas também, e o Norte uma, tal como os Açores.

A grande maioria dos óbitos (oito) ocorreu na faixa a partir dos 80 anos, duas foram na faixa dos 70 aos 79, duas também na faixa dos 60 aos 69 e uma no grupo dos 50 aos 59 anos.

Os números absolutos de casos e mortes por região ficam assim:

Relativamente a casos confirmados por faixa etária, a fotografia do país é a seguinte:

Por último, quanto a mortes confirmadas por covid-19 por faixa etária, uma doença que afeta mais a população idosa, o retrato do país é este: