Sociedade

Ensino Superior: “Sem mais apoios é previsível que o abandono escolar aumente”

10 setembro 2022 23:59

uporto

Alerta é feito pelo presidente do Conselho de Reitores das Universidades Portuguesas, que pede um reforço da ação social escolar face às maiores dificuldades que muitas famílias vão sentir

10 setembro 2022 23:59

O Governo e as instituições de ensino vão ter de ser mais “pró-ativas” e tomar mais medidas para evitar o "previsível aumento do abandono escolar decorrente da atual situação económica”, avisa António Sousa Pereira, presidente do Conselho de Reitores das Universidades Portuguesas (CRUP) e responsável máximo da Universidade do Porto.

“Há muitas famílias que vivem no fio da navalha e que vão ter imensas dificuldades em suportar o aumento das despesas inerentes ao estudo dos seus filhos. Vão ser precisos mais mecanismos de apoio e devia haver um reforço da ação social por parte do Governo. As capitações com que se fazem os cálculos são muito baixas”, justifica António Sousa Pereira.

O presidente do CRUP acrescenta ainda a necessidade de o Ministério atualizar os complementos atribuídos aos estudantes deslocados que não conseguem encontrar lugar numa residência. Os valores da compensação são muito inferiores aos preços de mercado praticados, lembra o responsável.

Da parte do Ministério, foi já garantida a atribuição automática de bolsa a todos os estudantes cujas famílias são beneficiárias do abono de família e a criação de um “novo complemento à bolsa de estudo, com um valor máximo de 250 euros anuais, para apoiar as deslocações de estudantes bolseiros entre as localidades da sai residência habitual e as localidades das instituições de ensino que frequentam”.

O Ministério do Ensino Superior lembra ainda que serão esta semana assinados os contratos de financiamento, ao abrigo do PRR, que permitirão a construção e renovação de residências para estudantes. O investimento será de 375 milhões de euros de verbas do PRR e será o maior de sempre em alojamento estudantil, atualmente muito deficitário face ao número de deslocados e aos valores das rendas praticados no mercado.

À espera de um aumento de verbas

Sobre o contrato de confiança assinado entre as instituições de ensino e o Governo e que prevê um reforço das transferências acima dos 2% previstos sempre que a inflação supere esse valor, António Sousa Pereira espera que o mesmo possa ser contemplado em sede de discussão do próximo Orçamento do Estado.

“Neste momento está inscrito um reforço de 2,5% para todas as instituições e de 1% adicional a ser dado às instituições que têm sido mais penalizadas pelo não cumprimento da fórmula de financiamento. Pensar que a inflação se vai ficar este ano pelos 2% é uma fantasia. Espero que quando acordarem dessa fantasia, seja feita a negociação para esse reforço. Caso contrário, as instituições de ensino superior vão entrar em rutura muito rapidamente”, avisa o presidente do CRUP, lembrando que os aumentos que as universidades já estão a ter com os custos da energia são “brutais” e que as instituições nem sequer podem aumentar propinas (congeladas por decisão da Assembleia da República) para fazer face ao aumento das despesas.