Sociedade

Federação dos Médicos teme que SNS acabe independentemente do nome do ministro

9 setembro 2022 18:35

mário cruz/lusa

“Se o primeiro-ministro diz que vai aplicar o programa do Governo, é evidente que o SNS vai acabar dentro de pouco tempo. Estamos perfeitamente exaustos, nós e os senhores enfermeiros”, afirmou o vice-presidente da FNAM, João Proença

9 setembro 2022 18:35

A Federação Nacional dos Médicos (FNAM) considerou esta sexta-feira que se o primeiro-ministro, António Costa, insistir em aplicar o programa do Governo, o Sistema Nacional de Saúde vai “acabar dentro de pouco tempo”, independentemente de quem for o ministro da Saúde.

Em declarações à agência Lusa, o vice-presidente da FNAM, João Proença, reagiu sem surpresa à escolha de Manuel Pizarro para ministro da Saúde, em substituição de Marta Temido, que pediu a demissão em agosto.

“É um médico, que já foi secretário de Estado da Saúde no mandato da Dra. Ana Jorge, que já foi candidato a presidente da Câmara do Porto, é um homem do aparelho do PS”, afirmou o dirigente da FNAM.

“Se o primeiro-ministro diz que vai aplicar o programa do Governo, é evidente que o SNS vai acabar dentro de pouco tempo. Estamos perfeitamente exaustos, nós e os senhores enfermeiros”, afirmou.

O médico sustentou que todos os dias “fecham serviços” e que considerou que o SNS corre o risco de acabar se não forem melhoradas as condições de trabalho e os salários dos profissionais que o asseguram. “O Ministério não tem uma atitude de melhorar as condições da saúde”, lamentou.

O responsável sindical lembrou que a FNAM assinou há uma semana um protocolo negocial com o Governo, cuja negociação espera ver concretizada rapidamente.

O primeiro-ministro, António Costa, propôs ao Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, a nomeação do eurodeputado socialista Manuel Pizarro para o cargo de ministro da Saúde, em substituição de Marta Temido.

Manuel Pizarro foi secretário de Estado da Saúde no segundo executivo liderado por José Sócrates, tendo como ministra Ana Jorge.

Marta Temido, de 48 anos, pediu a demissão de ministra da Saúde no passado dia 30 de agosto, mas António Costa pediu-lhe para se manter em funções mais algumas semanas até concluir a aprovação do diploma que regulamenta o Serviço Nacional de Saúde (SNS).

Esse diploma foi aprovado em Conselho de Ministros e apresentado pela própria Marta Temido na quinta-feira.