Sociedade

Incêndio em Leiria obriga ao corte da A1 nos dois sentidos

12 julho 2022 14:23

Segundo o capitão da GNR Rui Costa, a alternativa é o itinerário complementar 2 (IC2) a norte de Leiria e a Estrada Nacional 113, para sul

12 julho 2022 14:23

O incêndio que deflagrou hoje na freguesia da Caranguejeira, no concelho de Leiria, obrigou ao corte da autoestrada 1 em ambos os sentidos, disse à agência Lusa fonte da GNR.

O fogo, que deflagrou pelas 12:06, na freguesia da Caranguejeira, estendeu-se à freguesia da Boa Vista e obrigou ao corte da A1, entre Pombal e Leiria, e Fátima e Leiria.

Segundo o capitão da GNR Rui Costa, a alternativa é o itinerário complementar 2 (IC2) a norte de Leiria e a Estrada Nacional 113, para sul.

Segundo a página da Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil, às 14:11, estavam no terreno 154 operacionais, apoiados por 39 veículos e três meios aéreos.

Portugal esteve entre dia 08 e domingo em situação de alerta devido ao risco de incêndio rural, tendo passado para contingência na segunda-feira, uma situação que se vai manter até às 23:59 horas de sexta-feira, mas que poderá ser prolongada caso seja necessário.

A declaração da situação de contingência foi decidida devido às previsões meteorológicas para os próximos dias, que apontam para o agravamento do risco de incêndio, com temperaturas que podem ultrapassar os 45º em algumas partes do país, segundo disse, no sábado, o ministro da Administração Interna, José Luís Carneiro.

A situação de contingência, que corresponde ao segundo nível de resposta previsto na Lei de Bases da Proteção Civil, é declarado quando, face à ocorrência ou iminência de acidente grave ou catástrofe, é reconhecida a necessidade de adotar medidas preventivas e ou medidas especiais de reação não mobilizáveis no âmbito municipal.

Devido à situação de risco, Portugal ativou o Mecanismo Europeu de Proteção Civil e a Comissão europeia mobilizou, no domingo, dois aviões espanhóis para combater os incêndios no território português.

Os distritos de Viana do Castelo, Braga, Porto, Vila Real, Bragança, Guarda, Castelo Branco e Portalegre estão desde as 09:00 de hoje sob aviso vermelho, o mais grave, devido ao tempo quente, segundo o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).

O aviso vermelho, emitido pelo IPMA, devido à persistência de valores extremamente elevados da temperatura máxima, vai estar em vigor até às 18:00 de quarta-feira, passando depois a laranja.

De acordo com o IPMA, o aviso vermelho corresponde a “uma situação meteorológica de risco extremo”.

Face às previsões, quase todo o território de Portugal continental apresenta hoje um perigo máximo e muito elevado de incêndio rural.