Sociedade

Mobilidade: para evitar metade das mortes seria necessário reduzir a velocidade entre 18 e 21 km/h nas cidades

20 maio 2022 21:56

João Diogo Correia

João Diogo Correia

textos

Jornalista

Raquel Albuquerque

Raquel Albuquerque

textos

Jornalista

Na semana passada, foi aprovada uma proposta do Livre, na CML, que prevê a redução de 10 km/h em todas as vias

nuno fox

Mudar limites de velocidade nas cidades não é suficiente, alertam os especialistas. É preciso fiscalizar mais

20 maio 2022 21:56

João Diogo Correia

João Diogo Correia

textos

Jornalista

Raquel Albuquerque

Raquel Albuquerque

textos

Jornalista

A taxa de mortalidade de peões em Portugal está acima da média da União Europeia e o grande problema está dentro das localidades, onde a maioria dos condutores excede em mais de 20 km/h o que é permitido. Para diminuir para metade o número de mortes, exclusivamente através da redução da velocidade, seria preciso uma descida entre 18 e 21 km/h nos limites existentes nas cidades, de acordo com um estudo do Laboratório Nacional de Engenharia Civil (LNEC). Isso prova o quão difícil é chegar à meta com a qual Portugal está comprometido até 2030, sem implementação de medidas adicionais para desacelerar a circulação dos automóveis.

“Só com redução de velocidade as metas não são atingidas. Tem de haver um pacote de medidas”, diz João Lourenço Cardoso, investigador do LNEC e um dos autores do estudo que serve de preparação para a futura Estratégia Nacional de Segurança Rodoviária: Visão Zero 2030. “A diminuição de 10 ou de 20 km/h teria um impacto bastante grande em termos de sinistralidade, mas é possível mexer na velocidade de circulação sem mexer nos limites, por exemplo, com mais fiscalização.”