Sociedade

Fuga de gás provocou explosão em prédio na Amadora e fez 16 feridos

16 março 2022 12:00

Há pelo menos 16 feridos, entre bombeiros e civis. Um dos bombeiros foi projetado do sexto para o segundo andar no momento da explosão e encontra-se em estado grave. A explosão deixou cerca de 39 pessoas desalojadas

16 março 2022 12:00

Um dano nas redes de abastecimento de gás provocou uma forte explosão ocorrida, na manhã desta quarta-feira, num prédio de oito andares em Mina de Água, Casal de São Brás, no concelho da Amadora. O último balanço da Proteção Civil dá conta de 16 feridos, entre bombeiros e civis.

A explosão provocou 16 feridos, um deles em estado grave, e danos em estruturas de prédios adjacentes e em vários estabelecimentos comerciais.

O ferido grave é bombeiro e foi transportado para o Hospital de São Francisco Xavier.

"Um dos bombeiros está em estado grave, os restantes [feridos] têm ferimentos ligeiros", detalhou fonte da Proteção Civil. "Os ferimentos ligeiros são provenientes de estilhaços. Nada de preocupante no que concerne às vítimas civis", acrescentou.

O incidente ocorreu na Rua José Maria Pereira, número 7, e o alerta foi dado às 10h53.

"Os bombeiros procediam ao reconhecimento inicial [da fuga de gás] e quando estavam a progredir dentro da estrutura do edifício deflagrou a explosão, tendo apanhado todos elementos no seu interior", relata a mesma fonte da Proteção Civil.

O bombeiro em estado grave, transferido para o Hospital de São Francisco Xavier, "foi projetado do sexto andar até ao segundo", especificou o responsável pelas operações.

A explosão deixou cerca de 39 pessoas desalojadas, mas a Proteção Civil garante que todas encontraram soluções de habitabilidade. “Temos cerca de 39 pessoas [desalojadas]. Oito foram realojadas e 31 ficaram em soluções familiares”, disse o Comandante da Proteção Civil da Amadora, Luís Carvalho.

As pessoas desalojadas são moradoras do prédio n.º 7, onde ocorreu a explosão, e de “algumas frações do [prédio] n.º 9, que é o edifício adjacente e que não tem condições de habitabilidade”.

Pelas 22h, ainda se encontravam no local a proteção civil municipal, a polícia municipal, os bombeiros e as equipas sociais da Câmara Municipal e da Segurança Social, segundo Luís Carvalho. A Polícia Judiciária também esteve no local para apurar as causas da explosão.

“Os bombeiros estão a retirar elementos que estão em risco de queda na fachada. […] Temos a polícia municipal e a proteção civil as famílias do edifício n.º 5 e n.º 9 para poderem voltar as suas habitações”, precisou.

[Notícia atualizada às 11:06 de 17 de março de 2022]

"Foram também retiradas as pessoas do prédio e dos prédios adjacentes", acrescentou o responsável.

Vídeos da destruição provocada pela explosão estão a circular nas redes sociais.