Sociedade

Um terço dos docentes que vincularam em Lisboa mudaram-se para escolas de outras zonas

getty images

Na região de Lisboa, em 34 agrupamentos há 88 horários por atribuir. No distrito de Faro, mais de metade tem falhas

25 outubro 2019 16:42

É nas regiões de Lisboa e do Algarve que as dificuldades de colocação de professores mais se têm feito sentir e, segundo o último levantamento da Fenprof, são milhares os alunos que estão sem aulas desde o início do ano letivo ou que ficaram entretanto sem professor e para o qual as escolas procuram um substituto. O número é impossível de determinar, pois depende dos horários em falta. Um professor tanto pode ter oito turmas, como quatro, consoante a disciplina que lecione.


Na área de intervenção do Sindicato dos Professores da Grande Lisboa, os inquéritos começaram a ser enviados às escolas na semana passada. E, ainda que os dados sejam parciais e estejam sempre a evoluir, confirmam que as falhas persistem, sobretudo nos grupos de recrutamento de Geografia e de Informática. Nos 34 agrupamentos que responderam (uma minoria), há 88 horários por preencher, num total de 1256 horas. A maioria são horários incompletos, pelo que a remuneração correspondente afasta ainda mais os candidatos. Um horário entre as 8 e as 14 horas dá direito a um salário de cerca de 500 euros mensais.

Já no levantamento feito pelo Sindicatos dos Professores da Zona Sul (SPZS) constata-se que é no distrito de Faro que as dificuldades são maiores. Em 38 agrupamentos de escolas, pelo menos 20 tinham esta semana um ou mais professores em falta.

Este é um artigo exclusivo. Se é assinante clique AQUI para continuar a ler (também pode usar o código que está na capa da revista E do Expresso).

Torne-se assinante