Prémio Nacional Turismo

“A autenticidade é a nossa maior atração”

4 novembro 2022 19:07

O turismo estimula todos os outros sectores da economia, mas é sempre a primeira vítima em momentos de crise

d.r.

Desafios: a chave para uma melhor oferta turística em Portugal passa por adicionar à simplicidade, hospitalidade e autenticidade características do nosso país mais formação e melhores salários

4 novembro 2022 19:07

Uma aldeia outrora abandonada é hoje um polo dinâmico procurado por pessoas de todo o mundo. Estamos no Centro de Portugal, em Cerdeira, que soube reinventar-se a partir do que tinha de melhor: autenticidade, personalidade e arte. Atribuído à Cerdeira Home for Creativity em 2021, na categoria Turismo Autêntico, o Prémio Nacional de Turismo destaca uma experiência real e genuína, que, garante Sofia Rosa, marketing manager do projeto, é desejo dos visitantes. “As pessoas procuram cada vez mais experiências profundas”, e Cerdeira oferece essa oportunidade de “mostrar o que é realmente autêntico”. Além das casas recuperadas e das residências artísticas, a colaboração com diversos artesãos locais na área da cerâmica e da madeira, que acompanham e ensinam os turistas, é um dos grandes destaques do projeto. Uma dinâmica capaz de garantir maior sustentabilidade, já que, com o crescimento da procura destas experiências, começaram a dar formação aos jovens, garantindo que o conhecimento secular não se perde e que se fixam as populações. “Bons hotéis existem em todo o lado, mas autenticidade não.”

Gratificação obrigatória

Para André Jordan, vencedor do Prémio Carreira, a essência do sector em Portugal reside exatamente no mesmo ponto: autenticidade. “Conforto, limpeza e qualidade são indispensáveis em qualquer destino, mas o nosso produto é a simplicidade e a autenticidade”, sublinha, características que, combinadas com “elegância”, são “grandes atrativos para a maioria dos turistas”.

Apesar de o boom no turismo em Portugal ter nascido “quando os turistas descobriram que a relação preço/benefício era única”, na ótica do empresário “não devemos enfatizar o barato”. Melhorar as condições de trabalho na hotelaria é também um imperativo: “Sugiro a gratificação obrigatória, que ajuda a melhorar os salários.” A par de uma contínua aposta nesta vertente, André Jordan aponta a necessidade de “avançar mais em termos de cultura e museus”, já que a cultura “é um grande instrumento para atrair turismo de qualidade”.

Foi esta precisamente a aposta do World of Wine (WOW), distinguido em 2021 com o Prémio para Turismo Inovador: “Comercializar cultura é sempre desafiante num país como o nosso. Apresentamos a cultura do modo mais sensorial possível, de forma a envolver quem nos visita. Incentivamos as pessoas a sentir, cheirar, tocar. É aí que a nossa oferta se distingue”, explica Pedro Araú­jo, diretor-geral do WOW. “Quando juntamos a uma oferta turística inovadora outras características, como hospitalidade e autenticidade”, refere, a receita é “garantidamente a chave para o sucesso”. Com uma oferta e promoção turística que “deve ser feita de forma complementar entre Estado e privados”, é determinante, para o futuro bem-estar do sector, “apostar naquilo que nos torna únicos e singulares”.

Sustentabilidade visível

Uma das práticas essenciais para o futuro, e não só do sector turístico, é a sustentabilidade no todo, que não apenas ambiental, onde se destaca a aposta do Hotel Sentido Galomar, na ilha da Madeira, distinguido com o Prémio Turismo Sustentável em 2021. “Queremos sempre melhorar e inovar”, garante João Aragão, diretor de Serviços Técnicos e Ambiente, “ao mesmo tempo que consciencializamos os clientes para continuarem no hotel os bons hábitos que têm em casa”. Além de ser uma exigência dos hóspedes, “a eficiência energética traz retorno financeiro rápido”, assinalando, no entanto, que, apesar de existirem “apoios financeiros, tanto europeus, como nacionais, para esta área, muitas unidades hoteleiras não concorrem por falta de informação”. Num fluxo de melhoria contínua, para este ano está prevista uma renovação dos alojamentos, com reaproveitamento de materiais e equipamentos, e ainda a aplicação de uma tecnologia inovadora para reaproveitamento da água do mar, pormenoriza o responsável.

A sustentabilidade é também um dos focos do vencedor na categoria de Turismo Gastronómico. A Rota do Petisco traz visibilidade a muitos espaços de restauração da região algarvia fora da época alta, combatendo a sazonalidade do turismo na região, e através da inicia­tiva recuperam-se receitas e produtos endógenos, que acabam por beneficiar os produtores locais. Para Rita Inácio, responsável pelo departamento de comunicação, o caminho passa por “diversificar a oferta” de um destino ainda “muito virado para sol e praia. Temos gastronomia muito boa tanto na serra como no mar, e essa deve ser uma grande aposta na região, além dos vinhos do Algarve”.

Uma questão de inteligência

“É uma questão de inteligência preparar a oferta turística para responder às necessidades da procura [de turismo acessível]”, que vão muito para além das pessoas portadoras de deficiência, destaca Ana Garcia, presidente da Accessible Portugal, para quem a distinção na categoria Turismo Inclusivo na última edição do Prémio Nacional de Turismo foi “uma grande alavanca”. A responsável aponta para a necessidade de ter em conta um espetro mais alargado, com foco no “envelhecimento da população, que traz limitações naturais”. “Quando preparamos o território para deficientes, estamos a prepará-lo para o futuro, já que todos nós poderemos ter limitações mais tarde.”

O futuro de um sector “componente importante da vida e da economia do país”, antevê novamente o Prémio Carreira 2021, André Jordan, “é brilhante. As pessoas querem viajar” e esta é uma área cujo crescimento “não prejudica, pelo contrário, estimula todos os outros sectores”, apesar de ser sempre a “primeira vítima quando há uma crise”.

Entrega de prémios em dezembro

A cerimónia de entrega de prémios da 4ª edição do PNT — Prémio Nacional de Turismo está agendada para dia 14 de dezembro, em Lisboa.

Depois do processo de avaliação das 743 candidaturas, que decorreu até ao final de setembro, e das reuniões dos comités e do júri, em dezembro vão ser conhecidos os grandes vencedores de 2022 nas categorias de Turismo Autêntico, Turismo Gastronómico, Turismo Inclusivo, Turismo Inovador e Turismo Sustentável. Por nomeação é também atribuído um prémio Carreira que, na última edição, distinguiu o empresário André Jordan.

A 4ª edição do PNT atingiu o número recorde de 743 candidaturas (em 2021 tinham sido 439), destacando-se as categorias de Turismo Gastronómico (283) e Turismo Autêntico (216), que representam 67% do total. Seguiram-se o Turismo Inovador (13%), Turismo Sustentável (12%) e Turismo Inclusivo (8%). Geograficamente, as candidaturas revelam uma cobertura total do território nacional, com a região Norte a liderar com 239 candidatos, Lisboa com 145, e Centro com 134.

Vencedores da 3ª edição

  • Cerdeira — Home for Creativity (Turismo Autêntico)
  • Sentido Galomar (Turismo Sustentável)
  • Rota do Petisco (Turismo Gastronómico)
  • AccessTUR (Turismo Inclusivo)
  • WOW — World of Wine (Turismo Inovador)
  • André Jordan (Prémio Carreira)

Acompanhe tudo sobre a 4ª edição do PNT — Prémio Nacional de Turismo AQUI

PRÉMIO NACIONAL DE TURISMO

O Expresso e o BPI, em parceria com o Turismo de Portugal e a Deloitte, organizam pelo quarto ano consecutivo o Prémio Nacional de Turismo (PNT), uma iniciativa para promover, incentivar e distinguir as melhores empresas, práticas e projetos do sector.

Textos originalmente publicados no Expresso de 4 de novembro de 2022