Governo

Costa reafirma confiança no ministro das Finanças

20 janeiro 2023 20:10

Primeiro-ministro português, António Costa

rodrigo antunes/lusa

Questionado pela RTP se mantém a confiança no ministro das Finanças, António Costa respondeu: "Sim, no ministro das Finanças, na nossa seleção, no presidente da federação e na capacidade que Portugal vai ter para continuar a lutar pelo melhor resultado possível aqui no mundial"

20 janeiro 2023 20:10

O primeiro-ministro, António Costa, reiterou hoje a confiança no seu ministro das Finanças, Fernando Medina, após assistir ao jogo do mundial de andebol Portugal-Cabo Verde, em Gotemburgo.

Questionado pela RTP se mantém a confiança no ministro das Finanças, António Costa respondeu: "Sim, no ministro das Finanças, na nossa seleção, no presidente da federação e na capacidade que Portugal vai ter para continuar a lutar pelo melhor resultado possível aqui no mundial".

Apesar da curta declaração que fez a sorrir, o chefe do executivo recusou-se a abordar temas de política nacional em Gotemburgo.

Na quinta-feira, no parlamento, o PSD considerou que Fernando Medina "não tem autoridade política para ser ministro das Finanças" e para "gerir dinheiros públicos", argumentando que "nunca sabe de nada", nem no Governo, nem quando era autarca de Lisboa.

O líder parlamentar do PSD falava aos jornalistas pouco depois de Fernando Medina ter anunciado que pediu para ser ouvido pela Procuradoria-Geral da República no âmbito do processo que motivou na terça-feira a realização de buscas na Câmara de Lisboa, embora afirmando desconhecer "em absoluto" a investigação em curso.

A posição dos sociais-democratas levou o presidente da bancada do PS, Eurico Brilhante Dias, a acusar o líder parlamentar do PSD de "populismo rasteiro" e de contribuir para alimentar a extrema-direita ao atacar o ministro das Finanças, explorando as investigações na Câmara de Lisboa.

A Câmara de Lisboa confirmou na quarta-feira a realização de buscas no departamento de Urbanismo, mas remeteu mais esclarecimentos para as autoridades judiciais.

Na quinta-feira, a Procuradoria-Geral da República (PGR) adiantou à Lusa que o caso que levou à realização de buscas na terça-feira no departamento de Urbanismo da Câmara de Lisboa "não tem arguidos constituídos" e está sujeito a segredo de justiça.

Segundo a TVI/CNN Portugal, em causa estarão "a viciação das regras para a contratação de um histórico do PS de Castelo Branco com vista à gestão das obras públicas na capital".