Política

Professores consideram manifestação "histórica" e prometem continuar a luta

14 janeiro 2023 20:07

antonio cotrim

Num discurso de cerca de uma hora, André Pestana deixou muitas críticas ao Governo, mas também aos restantes sindicatos do setor, e pediu um aumento de 120 euros para todos os profissionais da educação

14 janeiro 2023 20:07

Os professores que este sábado protestaram numa marcha em Lisboa consideraram a manifestação “histórica”, ao reunir “mais de 100 mil pessoas”, e prometeram continuar a lutar pelas reivindicações.

Numa manifestação promovida pelo Sindicato de Todos os Profissionais da Educação (STOP), milhares de professores e outros profissionais do setor começaram a concentrar-se cerca das 14:00 na Praça do Marquês de Pombal, desfilando depois até à Praça do Comércio, numa ação que durou quase cinco horas.

Segundo a PSP, participaram mais de 20 mil pessoas

1 / 10
1 / 10

antonio cotrim

2 / 10
2 / 10

antonio cotrim

3 / 10
3 / 10

acotrim

4 / 10
4 / 10

antonio cotrim

5 / 10
5 / 10

antonio cotrim

6 / 10
6 / 10

antonio cotrim

7 / 10
7 / 10

antonio cotrim

8 / 10
8 / 10

antonio cotrim

9 / 10
9 / 10

antonio cotrim

10 / 10
10 / 10

antonio cotrim

Perante uma Praça do Comércio cheia, o coordenador nacional do STOP, André Pestana, disse que os cordões humanos e os protestos nas escolas vão continuar e que os professores vão concentrar-se junto do Ministério da Educação, aquando das reuniões com os sindicatos, na próxima semana.

O sindicalista pediu também a demissão do ministro da Educação, João Costa, sublinhando que o governante “faz parte do problema e não da solução”.

Num discurso de cerca de uma hora, André Pestana deixou muitas críticas ao Governo, mas também aos restantes sindicatos do setor, e pediu um aumento de 120 euros para todos os profissionais da educação.