Política

Marcelo alerta para risco de se chegar a 2030 com "cadastro altamente incompleto" para prevenir incêndios

27 dezembro 2022 8:27

Marcelo Rebelo de Sousa

antónio pedro santos/lusa

O Presidente da República entende que se pode "dar um passo importante no ano que vem", antecipando um pouco a explicação da estratégia que está a ser seguida

27 dezembro 2022 8:27

O Presidente da República afirmou esta segunda-feira que há o risco de se chegar a 2030 com um "cadastro altamente incompleto" em relação à realidade que é fundamental para a prevenção e combate aos incêndios florestais.

"Temos os problemas aqui apontados pelo senhor ministro da Administração Interna que estão a ser enfrentados. Mas demoram tempo. A propriedade fundiária, o reordenamento florestal. Eu junto o cadastro. O cadastro faz-me sofrer. A lentidão. Eu penso que corremos o risco de chegar a 2030 com um cadastro altamente incompleto em relação a realidade que e fundamental para a prevenção e combate aos incêndios", afirmou Marcelo Rebelo de Sousa, na Câmara Municipal da Guarda.

O PR realizou uma visita ao território afetado pelo grande fogo na serra da Estrela, que em agosto atingiu um total de 24 mil hectares de área ardida.

Nesta visita, é acompanhado pelo ministro da Administração Interna, José Luís Carneiro, sendo que além da Covilhã, também realizou passagens pelos concelhos de Manteigas, Seia, Gouveia, Celorico da Beira e Guarda.

"Eu sei que tem de ser assim porque o rigor científico e técnico assim o exige. Mas é uma dor de alma não ser possível definir quem é proprietário de quê. Há limitações estruturais", frisou.

O chefe de Estado salientou que há também aquilo que "avança mais rápido", como o Plano de Resposta Integrada aos Incêndios Rurais da serra da Estrela (PRISE).

"Temos de admitir que é avançar muito rapidamente conseguir por de pé, ao menos um começo de plano integrado ou traves mestras de um plano integrado a todos os níveis, em seis meses ou nove meses. É obra", salientou.

Marcelo Rebelo de Sousa disse que há ainda um terceiro problema que envolve todos os portugueses.

"É preciso que os portugueses percebam o que está a ser feito. O senhor ministro [José Luís Carneiro] tem sido nisso muito, muito claro nas suas comunicações, aliando a preocupação da confiabilidade. Só confia quem percebe. Se não percebe não confia e a confiança é essencial para prevenir e depois para responder", disse.

E, neste âmbito, o PR entende que se pode "dar um passo importante no ano que vem" antecipando um pouco a explicação da estratégia que está a ser seguida.

"Tem riscos, como em tudo. Para quem tem intenções criminosas, intenções levianas é um risco. Ficará a saber exatamente algumas prioridades objetivos e prioridades de ação. É um risco, mas vale a pena, talvez, correr esse risco", salientou.

O chefe de Estado disse que esta foi uma jornada que correspondeu e até superou as expectativas.

Por último, Marcelo Rebelo de Sousa disse que em relação aos fogos não se pode esquecer uma questão que é fundamental: "O Portugal Metropolitano não vê os fogos florestais como vê o resto do território continental. Não vê e em muitos casos não sente. Isto foi particularmente visível em 2017 e 2018. Para o Portugal Metropolitano certas realidades como esta que aqui nos une pode não ser uma evidencia ou, pelo menos, uma evidência muito forte".

Por isso, salientou a necessidade do trabalho adicional, "da "pedagogia lenta e permanente que é preciso fazer".

"Num país centralizado há quase nove séculos é uma revolução nas mentalidades a descentralização", concluiu.