Política

Como Costa e Marcelo tentaram "segurar" Luanda e usar BIC na negociação sobre BPI

17 novembro 2022 23:30

Ângela Silva

Ângela Silva

texto

Jornalista

Tiago Miranda

Tiago Miranda

foto

Fotojornalista

Marques Mendes fez a apresentação do livro que resultou de entrevistas do jornalista Luís Rosa ao ex-governador Carlos Costa

Presidente da República recebeu António Costa, Mário Centeno e Carlos Costa ainda em Queluz, antes de tomar posse. Saída de Isabel dos Santos do BPI era urgente. No rescaldo do livro “O Governador”, Presidente da República relatou tentativa de acordo com a empresária angolana. Sobre o caso Banif, Marcelo não quis falar

17 novembro 2022 23:30

Ângela Silva

Ângela Silva

texto

Jornalista

Tiago Miranda

Tiago Miranda

foto

Fotojornalista

Marcelo Rebelo de Sousa pôs-se ao lado de António Costa na guerra mediática que esta semana opôs o primeiro-ministro e o ex-governador do Banco de Portugal Carlos Costa. Mas foi mais além e não deixou de reconhecer que os interesses diplomáticos Portugal-Angola estiveram presentes na gestão da crise bancária, nomeadamente no caso BPI, que ele próprio se viu forçado a partilhar com o PM antes até de chegar a Belém.

O Presidente assumiu-o publicamente na quarta-feira, um dia após o lançamento do livro “O Governador”, que acompanhou em silêncio e sobre o qual só quis abordar o caso que passou pela saída de Isabel dos Santos do BPI. Do Banif, que Marques Mendes defendeu na apresentação do livro merecer investigação criminal, por favorecimento ao Santander, não quis falar. Ficou-se por um “aguardo para ver”. Mas sobre o caso BPI, que levou Carlos Costa a denunciar um telefonema que terá recebido do PM em 2016 dizendo-lhe que não se podia “tratar mal a filha do PR de um país amigo”, Marcelo assumiu ter sido “tentado um acordo”, que passava por manter Isabel dos Santos na gestão do BIC.