Exclusivo

Opinião

O que ainda prende um jovem a Portugal?

O que ainda prende um jovem a Portugal?

Rodrigo Tavares

Professor catedrático convidado na Nova SBE

A fórmula usada para estimularmos os portugueses a voltarem ao país está parada no tempo

É um inquérito informal sem qualquer validade científica. Mas com frequência pergunto aos meus alunos portugueses se gostariam de ficar em Portugal após concluírem o seu mestrado. A vasta maioria tem respondido que, perante a falta de alternativas no próprio país, se pudesse, emigraria. É isso que indicam também vários estudos. Um recente da Associação BRP/Deloitte mostra que 48% dos portugueses com menos de 25 anos que residem no país estão propensos ou muito propensos a emigrar.

Não são necessariamente más notícias. A presença no exterior poderá amadurecê-los e qualificá-los como seres humanos e profissionais. Sem estruturas de apoio herdadas, terão de construir oportunidades no interlúdio dos equívocos e dos desencantos. É uma forma de fortalecerem a sua disponibilidade para o outro e a sua atenção à diversidade. A emigração proporciona a autoconsciencialização da ideia de minoria, despertando o instinto de sobrevivência e de empreendedorismo. Falhar deixa de ser visto como uma certidão de óbito e passa a ser interpretado como um elemento natural na organização da vida.

Mas a economia portuguesa continuará estagnada, a produtividade estacionária e o salto tecnológico das empresas será serôdio, se o país se tornar uma incubadora de emigrantes, com fluxos unilaterais de exportação de mão de obra qualificada. Cerca de 60 mil portugueses emigraram em 2021, mais 15 mil do que no ano anterior. O Reino Unido é o principal destino, segundo o Relatório da Emigração. Portugal é o país da União Europeia com mais emigrantes em percentagem da população, segundo o Observatório da Emigração. São mais de 5 milhões de portugueses a viver no estrangeiro.

A emigração qualificada da nova geração é circular, com noções de distâncias encurtadas e de tempo comprimidas. Saem e voltam com mais facilidade. Mas precisamos que eles voltem.

Artigo Exclusivo para assinantes

Assine já por apenas 1,63€ por semana.

Já é Assinante?
Comprou o Expresso?Insira o código presente na Revista E para continuar a ler

Tem dúvidas, sugestões ou críticas? Envie-me um e-mail: clubeexpresso@expresso.impresa.pt

Comentários

Assine e junte-se ao novo fórum de comentários

Conheça a opinião de outros assinantes do Expresso e as respostas dos nossos jornalistas. Exclusivo para assinantes

Já é Assinante?
Comprou o Expresso?Insira o código presente na Revista E para se juntar ao debate
+ Vistas