Opinião

Que tempo é necessário para se construir um unicórnio? É mais do que deram ao Miguel!

18 novembro 2022 0:30

A defesa do Dr. Miguel Alves e do seu associado, PhD Ricardo Moutinho, tem de salientar o tempo que leva fazer coisas bem feitas

18 novembro 2022 0:30

Tomemos, por exemplo, o aeroporto de Lisboa. A coisa começou a ser planificada há mais de 50 anos e ainda a procissão vai no hangar. Porquê? Porventura pensais que por incompetência daquele que lançou a obra, o prof. dr. (PhD, diz-se agora) Marcello Caetano. Ou daqueles que lhe seguiram, como Palma Carlos, Vasco Gonçalves, Pinheiro de Azevedo, Mário Soares, Sá Carneiro, Francisco Balsemão, Mário Soares (era o mesmo passados quatro anos), Cavaco Silva, António Guterres, Durão Barroso, Santana Lopes, José Sócrates, Passos Coelho ou António Costa. Seria possível serem todos incompetentes? Não seria um azar imenso o nosso país só ter incompetentes como primeiros-ministros? Claro que era, e isso não aconteceu (ou, pelo menos, dizê-lo não nos fica bem)! O que se passa é a obra ser complexa. Primeiro há que definir o local — e essa parte está praticamente concluída; depois tudo o resto: o projeto, o financiamento, a reavaliação do investimento, a eventual suspeita de corrupção, a construção, o visto do Tribunal de Contas, a alteração da lei que contorna o visto do Tribunal de Contas e a inauguração (se ainda houver aviões; caso contrário, faz-se uma pista de karting, ou assim). Se cada fase demorar metade da anterior, o aeroporto estará pronto daqui a 100 anos, no glorioso Anno Domini 2122, depois de milhares de milhões gastos.

Este é um artigo do semanário Expresso. Clique AQUI para continuar a ler.