Opinião

XVI - Uma história do arco da velha (1)

Depois de ter feito render o peixe e a carne, o autor cumpre aqui a promessa de fazer render a prosa e oferece o seu contributo à telescola. Como TPC (Trabalho Para Confinamento), os telealunos devem traduzir o texto que se segue do português coloquial para o formal, de preferência no formato de banda desenhada

14 abril 2020 18:07

O Zé dos Anzóis deitou-se com as galinhas, falou com os seus botões, consultou o travesseiro e ferrou o galho com um olho aberto e outro fechado. Habitualmente despertava com o rabo virado para a Lua, mas naquele dia acordou com os pés de fora porque na véspera lhe tinham dito que ia estar feito ao bife. A informação fê-lo ficar com o bicho carpinteiro e a sensação de ter as orelhas a arder. Sentiu a pulga atrás de uma orelha e a impressão de lhe estarem a fazer o ninho atrás da outra. Sem saber para onde se virar, por causa dos maus lençóis em que se encontrava, deixou-se ficar de molho, a passar pelas brasas e a pensar na morte da bezerra. Há alguém a querer fazer-me a cama, concluiu.

Este é um artigo exclusivo. Se é assinante clique AQUI para continuar a ler. Para aceder a todos os conteúdos exclusivos do site do Expresso também pode usar o código que está na capa da revista E do Expresso.

Caso ainda não seja assinante, veja aqui as opções e os preços. Assim terá acesso a todos os nossos artigos.