Opinião

XIII - A dama das 11 horas

Um passeio por um dos muitos parques de Bruxelas resulta num encontro inesperado e surpreendente com uma fugidia dama de uma beleza alva e intermitente

8 abril 2020 18:03

A dama das 11 horas fascinou-me mesmo sem a conhecer. Senti-a, adivinhava a sua beleza, até mesmo o seu perfume (só mais tarde o identifiquei como sendo dela) me chegava como um rasto do seu caminho, uma seta indicando um esperado encontro.

Este é um artigo exclusivo. Se é assinante clique AQUI para continuar a ler. Para aceder a todos os conteúdos exclusivos do site do Expresso também pode usar o código que está na capa da revista E do Expresso.

Caso ainda não seja assinante, veja aqui as opções e os preços. Assim terá acesso a todos os nossos artigos.