EUA

Cancelada reunião do grande júri que investiga Donald Trump

Donald Trump
Donald Trump
Joe Raedle

Deveria acontecer esta quarta-feira e o motivo do adiamento não ficou claro, mas significa que uma votação sobre acusar formalmente ou não Trump será adiada temporariamente. O orgão foi instruído para ficar de prontidão na quinta-feira

O grande júri que investiga o ex-presidente norte-americano Donald Trump por alegados pagamentos a uma atriz pornográfica durante a campanha presidencial de 2016 não se reunirá esta quarta-feira e foi avisado para ficar de prontidão na quinta-feira.

Apesar de hoje ser um dos dias da semana em que o grande júri de Manhattan normalmente se reúne, os seus membros foram informados do adiamento da reunião, segundo a agência Associated Press (AP).

O órgão foi instruído para ficar de prontidão na quinta-feira, outro dos dias em que o painel se costuma reunir, disseram três fontes ligadas ao caso que pediram anonimato.

O motivo do adiamento não ficou imediatamente claro, mas significa que uma votação sobre acusar formalmente ou não Trump será adiada temporariamente.

Acontece num momento em que aumentam os sinais de que o grande júri, que tem ouvido testemunhas no âmbito da investigação criminal do suposto pagamento de subornos à atriz pornográfica Stormy Daniels por parte de Donald Trump, está a chegar à conclusão do seu trabalho.

Os procuradores convidaram recentemente o próprio Trump a comparecer perante o grande júri e, na segunda-feira, ouviram uma testemunha favorável ao seu caso como forma de garantir que o painel receberia qualquer informação que pudesse ser considerada ilibatória.

Trump afirmou no fim de semana que esperava ser detido na terça-feira, mas tal não aconteceu.

Apesar da sua possível acusação, o ex-presidente tem lucrado com as suas crescentes dificuldades legais, de acordo com a rede Fox News, que deu conta que a campanha presidencial de Trump para 2024 já arrecadou 1,5 milhões de dólares (1,39 milhões de euros) apenas nos três dias seguintes à previsão de uma possível detenção do magnata.

Após Trump ter dito no sábado que iria ser detido, a sua equipa de campanha entrou com uma ação agressiva de arrecadação de fundos, através de e-mails e vídeos, advogando que o caso se trata de uma manobra política para tentar travar as renovadas aspirações políticas do magnata.

Tem dúvidas, sugestões ou críticas? Envie-me um e-mail: clubeexpresso@expresso.impresa.pt

Comentários

Assine e junte-se ao novo fórum de comentários

Conheça a opinião de outros assinantes do Expresso e as respostas dos nossos jornalistas. Exclusivo para assinantes

Já é Assinante?
Comprou o Expresso?Insira o código presente na Revista E para se juntar ao debate
+ Vistas