Exclusivo

Ásia

Daqui não sais, daqui ninguém te tira: saiba porque é cada vez mais difícil sair da China, até para estrangeiros

Guardas verificam os documentos de passageiros que saem da China pelo aeroporto de Yantai, na província de Shandong
Guardas verificam os documentos de passageiros que saem da China pelo aeroporto de Yantai, na província de Shandong
Future Publishing/Getty Images

Cada vez mais nacionais e estrangeiros são impedidos de sair do país. O relatório da organização Safeguard Defenders mostra que a represália se agudizou desde que Xi Jinping está no poder. Fugir é a única opção para muitos

Catarina Brites Soares

O advogado de direitos humanos Wang Quanzhang e a sua mulher, a ativista Li Wenzu, foram expulsos de Pequim, onde viviam com o filho, e forçados a voltar à província natal. É sorte comum entre dissidentes. O objetivo é escoar da capital e isolar quem representa uma ameaça ao regime comunista chinês.

Deixar o país é a única saída para escapar às teias de quem quer silenciar pessoas como Wang e Li. O Governo sabe isso e, a par de outras medidas para reprimir quem denuncia violações de direitos e liberdades, faz por impedir que saiam da China.

“A não renovação dos passaportes é uma das formas a que Pequim recorre, habitual e ilegalmente, para impedir que defensores de direitos humanos, jornalistas, advogados, entre outros, abandonem a China”, explica ao Expresso o diretor da Safeguard Defenders, Peter Dahlin. A sua organização, criada em 2019, supervisiona desaparecimentos de pessoas na China.

Artigo Exclusivo para assinantes

Assine já por apenas 1,63€ por semana.

Já é Assinante?
Comprou o Expresso?Insira o código presente na Revista E para continuar a ler

Tem dúvidas, sugestões ou críticas? Envie-me um e-mail: clubeexpresso@expresso.impresa.pt

Comentários

Assine e junte-se ao novo fórum de comentários

Conheça a opinião de outros assinantes do Expresso e as respostas dos nossos jornalistas. Exclusivo para assinantes

Já é Assinante?
Comprou o Expresso?Insira o código presente na Revista E para se juntar ao debate
+ Vistas