Internacional

Pequim confirma que balão que sobrevoa a América Latina é de origem chinesa

Autoridades chinesas garantem que o uso do balão é "civil"
Autoridades chinesas garantem que o uso do balão é "civil"
Anadolu Agency

O porta-voz do ministério dos Negócios Estrangeiros da China, Mao Ning, defendeu que o balão era “de natureza civil” e que “é usado para testes de voo”. Ter-se-á desviado da trajetória planeada “devido ao efeito do clima e devido às suas limitações em termos de manobrabilidade”, tendo ido “parar ao espaço aéreo da América Latina e das Caraíbas”

O Governo chinês disse, nesta segunda-feira, que o balão avistado sobre a América Latina, e designado pelos Estados Unidos como um dispositivo de "vigilância", tem origem na China, mas que é de "natureza civil".

Os militares norte-americanos abateram, no sábado passado, por ordem do Presidente norte-americano, Joe Biden, um primeiro balão chinês que sobrevoava os Estados Unidos há vários dias, provocando fortes críticas de Pequim.

No dia anterior, o departamento de Defesa dos Estados Unidos disse ter visto um segundo "balão de vigilância chinês" sobre a América Latina. A Colômbia anunciou, no fim de semana, que um balão sobrevoou o seu território.

"Verificamos que o balão não tripulado veio da China. É de natureza civil e é usado para testes de voo", disse o porta-voz do ministério dos Negócios Estrangeiros da China, Mao Ning. "Devido ao efeito do clima e devido às suas limitações em termos de manobrabilidade, este balão desviou-se em muito da sua trajetória planeada, e foi parar ao espaço aéreo da América Latina e das Caraíbas", afirmou Mao, em conferência de imprensa.

A porta-voz não especificou a que entidade pertence o balão. A Força Aérea colombiana disse que o balão foi detetado na sexta-feira de manhã e monitorizado até sair do espaço aéreo do país.

As autoridades militares do país sul-americano asseguraram que o dispositivo em momento algum "ameaçou" a segurança e a defesa do país. Não foram dados detalhes do seu paradeiro ou trajetória.

Os militares norte-americanos abateram, no sábado, ao largo da costa do estado da Carolina do Sul, no sudeste do país, o primeiro balão chinês, considerado pelo Pentágono como um dispositivo de espionagem.

A China disse que se tratava de um balão de uso civil e acusou os Estados Unidos de "exagerarem" ao usarem a força.

Tem dúvidas, sugestões ou críticas? Envie-me um e-mail: clubeexpresso@expresso.impresa.pt

Comentários

Assine e junte-se ao novo fórum de comentários

Conheça a opinião de outros assinantes do Expresso e as respostas dos nossos jornalistas. Exclusivo para assinantes

Já é Assinante?
Comprou o Expresso?Insira o código presente na Revista E para se juntar ao debate
+ Vistas