Internacional

Depois do Mali trocar tropas francesas pelo grupo Wagner, Burkina Faso dá um mês para a saída dos franceses. Aproximação à Rússia preocupa

22 janeiro 2023 0:05

Lusa

vincent bado

As autoridades de Ouagadougou solicitaram "a partida dos soldados franceses num curto espaço de tempo". França, antiga potência colonial do país, tem vindo a ser contestada no Burkina Faso há vários meses. Entre os novos parceiros previstos, é frequentemente apontada a aproximação da Rússia

22 janeiro 2023 0:05

Lusa

O Burkina Faso pediu esta semana a saída das tropas francesas do seu território no prazo de um mês, disse hoje à Agência de Informação do Burkina (AIB) uma fonte próxima do Governo não identificada.

"O Governo burquinabê denunciou na quarta-feira passada o acordo que tem regido a presença das forças armadas francesas no seu território desde 2018", anunciou a AIB.

"Esta denúncia, feita em 18 de janeiro de 2023, dá, nos termos do acordo de 17 de dezembro de 2018, um mês às forças armadas francesas para deixarem o território do Burkina Faso", prosseguiu a agência nacional burquinabê.

Segundo a fonte próxima do governo, as autoridades de Ouagadougou solicitaram "a partida dos soldados franceses num curto espaço de tempo".

"Isto não é uma rutura das relações com a França. A notificação apenas diz respeito aos acordos de cooperação militar", sublinhou a mesma fonte.

A França, antiga potência colonial do país, tem vindo a ser contestada no Burkina Faso há vários meses.

Várias manifestações, a última na sexta-feira, foram recentemente realizadas em Ouagadougou para exigir a retirada da França daquele país do Sahel, que acolhe um contingente de cerca de 400 operacionais das forças especiais francesas.

Na semana passada, Paris enviou ao país a secretária de Estado francesa para o Desenvolvimento, Francofonia e Acordos Internacionais, Chrysoula Zacharopoulou, que se reuniu com o Presidente para o período de transição, Ibrahim Traoré.

"A França não impõe nada, está disponível para criar um futuro em conjunto", afirmou a governante francesa durante a sua passagem por Ouagadougou, assegurando que não queria "influenciar qualquer escolha ou decisão, [porque] ninguém pode ditar as suas escolhas ao Burkina".

As atuais autoridades do Burkina Faso, que chegaram ao poder através de um golpe de Estado em setembro último, o segundo em oito meses, expressaram o desejo de diversificar as suas parcerias, particularmente na luta contra o extremismo islâmico, que se expande no país desde 2015.

Entre os novos parceiros previstos, é frequentemente apontada a aproximação da Rússia.

"A Rússia é uma escolha razoável nesta dinâmica, e "pensamos que a nossa parceria deve ser reforçada", disse hoje o primeiro-ministro para a transição, Apollinaire Kyelem de Tembela, no final de uma reunião com o embaixador russo no país, Alexey Saltykov.

Tembela fez uma visita discreta a Moscovo no início de dezembro.

Também as autoridades de transição no Mali, vizinho do Burkina Faso, fizeram as forças francesas abandonar o país, depois de nove anos de presença.

De acordo com múltiplas fontes, o Mali substituiu o contingente francês por operacionais do grupo paramilitar russo Wagner, que agora o apoiam na luta contra o extremismo islâmico.