Internacional

Brasil: Tribunal condena partido de Bolsonaro por tentar “tumultuar o regime democrático" invalidando os votos de 279 mil urnas

26 novembro 2022 23:20

Vestidos com a ‘camiseta’ da seleção, apoiantes de Bolsonaro apelam à intervenção das Forças Armadas para que o poder não siga para as mãos de Lula

ueslei marcelino / reuters

Na mesma semana em que Lula foi submetido a uma cirurgia, o juiz Alexandre de Moraes (presidente do Tribunal Superior Eleitoral) condenou o partido de Bolsonaro, a pagar uma multa de quatro milhões de euros por tentativa de destabilização do “próprio regime democrático"

26 novembro 2022 23:20

Numa semana marcada pela cirurgia de Lula da Silva no hospital Sírio-Libanês, em São Paulo (para tratar a rouquidão), o presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Alexandre de Moraes, indeferiu a ação interposta pelo Partido Liberal (PL, de Jair Bolsonaro) para tentar invalidar os votos depositados em 279 mil urnas eletrónicas na segunda volta das presidenciais, disputada a 30 de outubro. Lula venceu Bolsonaro por 50,9%-49,1%.

O PL invocou a forma como estão numeradas as urnas anteriores a 2020, alegando que poderiam causar “mau funcionamento e quebra de confiabilidade dos dados extraídos”. Paradoxalmente, o seu líder, Valdemar Costa Neto, não pôs em causa a votação com as mesmas urnas na primeira volta, a 2 de outubro, em paralelo com a eleição de deputados, senadores e governadores estaduais, alguns do PL.

Este é um artigo do semanário Expresso. Clique AQUI para continuar a ler.