Internacional

Uma garantia para os mercados, uma demissionária recuperada e aliados nos ministérios chave: eis o Governo de Rishi Sunak

Uma garantia para os mercados, uma demissionária recuperada e aliados nos ministérios chave: eis o Governo de Rishi Sunak
TOLGA AKMEN

O novo primeiro-ministro britânico decidiu reconduzir o ministro das Finanças, Jeremy Hunt, nomeado por Liz Truss para acalmar a turbulência financeira causada pelo seu programa económico. Ao sinal de estabilidade para os mercados juntam-se várias reconduções do Governo Truss. Mas uma é polémica. E nos postos chave estão os seus fiéis

O novo primeiro-ministro britânico, Rishi Sunak, decidiu esta terça-feira manter em funções o ministro das Finanças, Jeremy Hunt, nomeado em meados de outubro para acalmar a turbulência financeira causada pelo programa económico da anterior chefe do Governo, Liz Truss.

Político experiente com experiência à frente das pastas da Saúde e Negócios Estrangeiros, Hunt, de 55 anos, cancelou poucos dias após entrar em funções quase todos os cortes fiscais que tinham sido anunciados pelo governo Truss.

O ministro recuou também na promessa de não serem feitos cortes na despesa pública e antecipou "muitas decisões difíceis" para poupar milhares de milhões de libras, fazendo surgir receios de um regresso a políticas de austeridade.

Um plano fiscal a médio prazo está agendado para ser apresentado por Hunt no parlamento a 31 de outubro.

Hunt foi candidato vencido em 2019 e 2022 na corrida para suceder a Theresa May e Boris Johnson na liderança do Partido Conservador e primeiro-ministro, mas decidiu não concorrer a esta última eleição a favor de Rishi Sunak.

Sinalizar a unidade

Rishi Sunak reconduziu também Suella Braverman como ministra do Interior, ela que há menos de uma semana se demitiu do cargo, contribuindo para o afastamento da ex-chefe do Governo, Liz Truss. Francófona que estudou em Paris, a ex-advogada de 42 anos, de origem indiana, deixou o Governo na última quarta-feira, oficialmente por ter enviado documentos oficiais da sua conta pessoal de e-mail.

Mas, de acordo com a imprensa britânica, a demissão mascarou fortes desentendimentos com Truss sobre a questão da imigração, assunto sobre o qual Braverman tem uma posição muito dura, sendo considerada "eurofóbica e anti-imigração".

Durante a conferência anual do Partido Conservador, no início deste mês, Braverman disse que era seu "sonho" e "obsessão" ver um dia um avião cheio de requerentes de asilo a levantar voo com destino ao Ruanda, para onde o Reino Unido espera mudar o processamento dos pedidos.

Apostando num elenco governamental variado, mas com aliados nos postos chave, Sunak procura fomentar a unidade dentro do partido e no Governo, tendo nomeado ministros representativos das diversas fações partidárias, com poucas mulheres nas principais pastas.

Sunak nomeou também hoje como vice-primeiro-ministro e ministro da Justiça o antigo chefe da diplomacia britânica, Dominic Raab, que foi seu aliado nas eleições primárias dos conservadores, primeiro para suceder a Boris Johnson quando este se demitiu a 07 de julho, e depois a Truss, que anunciou a renúncia na passada quinta-feira.

E também manteve James Cleverly, que já fora nomeado por Truss, à frente do Ministério dos Negócios Estrangeiros, bem como Ben Wallace na Defesa, enquanto Grant Shapps vai tutelar a pasta dos Assuntos Empresariais.

Nadhim Zahawi, que desempenhou cargos ministeriais nos executivos de Johnson e de Truss, foi nomeado ministro sem pasta.

O aviso de Sunak: “Decisões difíceis" a caminho

O novo primeiro-ministro britânico, Rishi Sunak, prometeu corrigir os "erros cometidos" por Liz Truss, colocando a "estabilidade económica" no centro de um governo que quer liderar com "integridade, profissionalismo e responsabilidade".

Num discurso no exterior da residência oficial, em Downing Street, após ser indigitado pelo Rei Carlos III, Sunak assumiu que foram cometidos alguns erros" e que foi eleito "em parte para os corrigir". Sunak prometeu "colocar a estabilidade económica e a confiança no centro da agenda deste governo" e isso, avisou, "significará tomar decisões difíceis".

O novo primeiro-ministro iniciou esta terça-feira a formação de um novo Governo, tendo nomeado já Dominic Raab para ministro da Justiça e vice-primeiro-ministro, cargo que desempenhou sob Boris Johnson até ser despedido por Liz Truss.

Entretanto, anunciaram as demissões os ministros da Economia, Jacob Rees-Mogg, do Nivelamento [Levelling Up], Simon Clarke, do Ambiente, Ranil Jayawardena, e do Trabalho, Chloe Smith, entre outros.

Rishi Sunak é o terceiro primeiro-ministro britânico desde o início do ano e o quinto a ocupar ao cargo em seis anos. Descendente de imigrantes indianos, é também o primeiro líder de ascendência indiana da história do Reino Unido e o primeiro praticante da religião hindu.

Sunak, de 42 anos, é ainda o líder britânico mais jovem em mais de 200 anos, um ano mais novo do que David Cameron em 2010 e Tony Blair em 1997. Foi escolhido líder do Partido Conservador depois de se ter tornado o único candidato a reunir os 100 apoios requeridos de colegas deputados.

Tem dúvidas, sugestões ou críticas? Envie-me um e-mail: piquete@expresso.impresa.pt

Comentários

Assine e junte-se ao novo fórum de comentários

Conheça a opinião de outros assinantes do Expresso e as respostas dos nossos jornalistas. Exclusivo para assinantes

Já é Assinante?
Comprou o Expresso?Insira o código presente na Revista E para se juntar ao debate
+ Vistas