Internacional

Extrema-direita volta a subir pela Europa: “As crises económicas sempre foram o terreno ideal para atiçar o pânico”

20 setembro 2022 15:40

Salomé Fernandes

jornalista da secção internacional

Jaime Figueiredo

Jaime Figueiredo

Coordenador-Geral de Infografia

Giorgia Meloni, líder dos Irmãos de Itália

tiziana fabi/getty images

Nos últimos anos a Europa tem sido marcada pelo crescimento da extrema-direita, que ganhou destaque com políticas anti-migração, explorou inseguranças e ganhou com a insatisfação da população face à classe política internacional. Com o aumento da inflação e a antecipação de nova crise, espera-se que ganhe força. Até lá, quanto poder já tem nos parlamentos de países europeus?

20 setembro 2022 15:40

Salomé Fernandes

jornalista da secção internacional

Jaime Figueiredo

Jaime Figueiredo

Coordenador-Geral de Infografia

Um pouco por toda a Europa, partidos de caráter nacionalista e de extrema-direita têm ganho terreno nos últimos anos. Este reflete-se em resultados eleitorais e sondagens – seja pela resposta a receios da população, aceitação da vocalização de ideias que antes não eram aceites, ou por se tornarem a opção de quem vota em protesto. Em Itália, o partido Irmãos de Itália lidera as intenções de voto, em Espanha o Vox é o terceiro maior partido no Parlamento, e os Democratas da Suécia tornaram-se a segunda força política naquele país escandinavo. Portugal não é exceção: desde 2019, o Chega passou de um lugar para 12 na Assembleia da República.