Internacional

Ursula von der Leyen espera respeito de Truss pelos acordos pós-'Brexit'

5 setembro 2022 16:30

picture alliance/getty images

Líder do executivo comunitário felicitou Truss pela eleição para líder do Partido Conservador britânico, devendo suceder brevemente a Boris Johnson como primeira-ministra do Reino Unido

5 setembro 2022 16:30

A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, disse esta segunda-feira esperar que a próxima primeira-ministra britânica, Liz Truss, respeite os acordos assinados entre os dois blocos. “Anseio por uma relação construtiva, no pleno respeito pelos nossos acordos”, disse Von der Leyen numa mensagem divulgada na sua conta na rede social Twitter.

A líder do executivo comunitário felicitou Truss pela eleição para líder do Partido Conservador britânico, devendo suceder brevemente a Boris Johnson como primeira-ministra do Reino Unido.

Também a presidente do Parlamento Europeu, Roberta Metsola, usou a sua conta na rede social Twitter para felicitar a nova líder conservadora britânica, salientando que os dois blocos são “amigos e aliados naturais” e considerando que “as democracias devem continuar unidas, em oposição à autocracia e à agressão”.

Por seu lado, o comissário encarregado de negociar os termos dos acordos com Londres, Maros Sefcovic, sublinhou a “enorme importância estratégica” de uma boa relação entre Bruxelas e Londres.

Truss ganhou 81.326 dos votos dos cerca de 180.000 militantes de base do Partido Conservador, enquanto o rival Rishi Sunak, antigo ministro das Finanças, obteve 60.399, revelou o presidente do Comité 1922, o conselho partidário responsável pelo processo, Graham Brady. O resultado era esperado e confirma a vantagem registada em várias sondagens publicadas desde julho.

Truss, de 47 anos, será a terceira mulher primeira-ministra do Reino Unido, após Margaret Thatcher e Theresa May, e a quarta política a ocupar o cargo em seis anos.

O Acordo de Comércio e Cooperação União Europeia-Reino Unido e o Acordo sobre Segurança das Informações, assinados entre Londres e Bruxelas após o ‘Brexit’ (processo da saída britânica do bloco comunitário), vigoram desde 01 de maio de 2021.

Londres recuou na aplicação do acordo de comércio, nomeadamente no que respeita às relações com a República da Irlanda e a Irlanda do Norte, tendo Bruxelas apresentado uma queixa junto do Tribunal de Justiça da UE.