Internacional

Muros na Europa. O regresso das ‘cortinas de ferro’

13 novembro 2021 18:58

Ana França

Ana França

texto

Jornalista da secção Internacional

Jaime Figueiredo

Jaime Figueiredo

infografia

Coordenador-Geral de Infografia

Militares e polícias polacos vigiam a fronteira com a Bielorrússia, perto da região de Kuznica, onde se concentram migrantes que tentam entrar na Polónia

irek dorozanski / reuters

Há uma nova rota de migração às portas da UE. Grupo de 12 Estados-membros quer construir barreiras com fundos comunitários

13 novembro 2021 18:58

Ana França

Ana França

texto

Jornalista da secção Internacional

Jaime Figueiredo

Jaime Figueiredo

infografia

Coordenador-Geral de Infografia

Atenção, por favor. Atenção, por favor. Atravessar a fronteira só é permitido nas zonas oficiais de entrada.” A voz pausada ecoa pelas florestas, aviso insistente: não se pode passar, ninguém vai passar, é melhor irem-se embora. “As fronteiras da Polónia estão fechadas, a Bielorrússia mentiu-vos. Voltem para Minsk”, dizem as mensagens escritas que chegam ao mesmo tempo aos telemóveis das pessoas que estão presas na fronteira entre a Polónia e a Bielorrússia. Ví­deos gravados pelo próprio Ministério da Defesa polaco mostram pessoas a dormir coladas umas às outras por causa do frio, crianças com as mãos sobre uma fogueira, gente ferida, lábios roxos, tendas ensopadas, sapatos esfarelados.

Impedidos de se deslocarem à fronteira em si, já que o estado de emergência em vigor nas zonas fronteiriças da Polónia o impede, os jornalistas têm-se concentrado nas florestas próximas dessa zona de exclusão (com cerca de três quilómetros de largura), à espera de encontrar quem já tenha conseguido passar sem ser visto. Alguns são ajudados por organizações locais, como os Medycy Na Granicy (Médicos na Fronteira) ou a iniciativa Green Light.