Internacional

Cheias no Centro da Europa: Alemanha sabia que a tempestade ia chegar mas houve “uma falha monumental” nos alertas

19 julho 2021 9:54

picture alliance/ getty images

Foi nove dias antes que as autoridades alemãs identificaram a possível chegada de um fenômeno meteorológico que provocaria cheias. Desde então uma equipa de cientistas continuou a acompanhar a situação, mas ainda assim houve centenas de mortes

19 julho 2021 9:54

As autoridades alemãs detetaram o fenómeno, sabiam que a tempestade ia chegar. Disponibilizaram uma equipa de cientistas para acompanhar a situação nove dias antes das cheias que na semana passada devastaram a zona oeste da Alemanha. Mas ainda assim, algo falhou. De acordo com o jornal “The Sunday Times", a origem do problema está numa “falha monumental do sistema de alerta”.

Os primeiros sinais de alerta, refere a mesma publicação, foram detetados a 5 de julho, por um satélite, a cerca de 800 quilómetros de distância do rio Reno. Nos dias seguintes, os vários cenários possíveis davam sempre conta de que a região da Renânia seria atingida por cheias “extremas”, sobretudo junto aos rios Erft e Ahr e nas cidades de Hagen e Altena.

E, apesar de pelo menos os alarmes terem soado pelo menos 24 horas antes nas cidades que vieram a ser as mais afetadas, grande parte da população e das regiões foi apanhada sem qualquer preparação para o que ia acontecer.

“Nem tudo o que deveria ter funcionado a 100% funcionou. Porque se isso tivesse acontecido, não haveria mortes”, disse ao jornal alemão “Bild” Herbert Reul, responsável pela pasta do Interior na região da Renânia do Norte-Vestfália. Ainda assim, o deputado da CDU (mesmo partido da chanceler Angela Merkel), recusou a existência de qualquer “problemas estruturais” no sistema de alerta mesmo admitindo que “há provavelmente algumas melhorias necessárias” na coordenação de trabalhos.

Já um porta-voz do Serviço Meteorológico da Alemanha assegurou, citado pelo "Deutsche Welle”, que a instituição fez tudo o que era suposto ter feito”: avisar as autoridades locais da previsão meteorológica. No entanto, a mensagem da gravidade da situação não passou.

Na Alemanha, cabe às autoridades locais tomar as decisões relevantes sobre a ação nestas situações e decidir quais as medidas de prevenção a adotar.

O balanço mais recente dá conta de pelo menos 183 mortes na Alemanha na sequência destas inundações. A polícia estima que 700 pessoas estejam desaparecidas.

Também a Bélgica foi atingida por chuva intensa e inundações e pelo menos 27 pessoas morreram.