Internacional

Procurador-geral dos Estados Unidos abandona o cargo

14 dezembro 2020 23:07

mark wilson/getty images

Demissão de William Barr produz efeitos a partir de 23 de dezembro

14 dezembro 2020 23:07

O procurador-geral dos Estados vai abandonar o cargo na próxima semana, segundo foi anunciado pelo Presidente dos Estados Unidos através de um post publicado esta segunda-feira na rede social Twitter. Jeff Rosen, que é procurador adjunto, vai substituir Barr.

William Barr foi um importante apoiante de Trump, mas enquanto principal responsável do departamento de Justiça afirmou, no início de dezembro, não ter encontrado provas de ter havido fraude generalizada nas eleições presidenciais de novembro passado, conforme continua a ser defendido pelo candidato que foi derrotado por Joe Biden. Barr, subscrevendo a tese de Donald Trump, chegou a considerar, antes do ato eleitoral, que os votos por correio apresentavam o risco de dar origem a fraudes.

A demissão de William Barr produz efeitos a partir de 23 de dezembro. O 'tweet' de Trump é acompanhado por duas digitalizações de uma missiva na qual Bill Barr agradece o tempo em que esteve a servir o país e apresenta a demissão.

"Como discutido, vou passar a próxima semana a finalizar uns quantos assuntos restantes importantes para a Administração e partirei em 23 de dezembro", escreveu o Procurador-Geral demissionário.

O anúncio da renúncia de Barr ao cargo, através da publicação de Trump, aconteceu poucos minutos depois de a Califórnia ter atribuído os 55 votos daquele estado ao Presidente eleito, o democrata Joe Biden, que, com 302 votos até agora, viu a vitória nas presidenciais ratificada pelo Colégio Eleitoral dos EUA, ultrapassando o mínimo exigido de 270 votos em 538 para ser declarado oficialmente o Presidente.

A relação de Trump com Barr esfriou na última semana, depois de em 1 de dezembro o Procurador-Geral ter declarado que o Departamento da Justiça não tinha encontrado quaisquer evidências de fraude eleitoral que pudessem alterar o resultado das eleições.

Donald Trump, assim como a sua família, a candidatura e também os seus apoiantes, estão a fazer eco destas alegações infundadas desde que as primeiras projeções apontavam a vitória de Biden. Os comentários de Barr contradisseram os esforços de Trump de subverter os resultados eleitorais e de bloquear a transição de administrações na Casa Branca.