Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

“Não fui perfeito no liceu.” “Acreditei que ele me ia violar.” Kavanaugh e Ford ouvidos hoje no Senado

Brett Kavanaugh

Drew Angerer/Getty Images

A professora identificará o juiz indicado por Trump para o Supremo como “o rapaz” que a “agrediu sexualmente”, descartando qualquer sugestão de que possa estar a confundi-lo com outra pessoa. Depois de Ford, mais três mulheres avançaram com acusações semelhantes contra ele. O Presidente admitiu pela primeira vez retirar o apoio a Kavanaugh

A professora que acusa o juiz Brett Kavanaugh de agressão sexual quando ambos eram adolescentes, Christine Blasey Ford, vai dizer esta quinta-feira, perante a comissão de Justiça do Senado dos EUA, que nunca esquecerá o que lhe aconteceu numa festa em Maryland há 36 anos.

“Não tenho todas as respostas e não me lembro tanto como gostaria mas os detalhes sobre aquela noite que me trazem aqui hoje são aqueles que nunca esquecerei”, dirá Ford, de acordo com declarações divulgadas esta quarta-feira. No seu depoimento, a professora identificará Kavanaugh como “o rapaz” que a “agrediu sexualmente”, descartando qualquer sugestão de que possa estar a confundi-lo com outra pessoa.

“Acreditei que ele me ia violar”, acrescentará, aproveitando também para explicar o caminho que a levou até ali e que começou com uma carta que escreveu à sua congressista, seguida de uma denúncia anónima ao jornal “The Washington Post”. “Estou aqui hoje não porque queira estar. Estou apavorada. Estou aqui porque acredito que é meu dever cívico contar-vos o que aconteceu comigo quando Brett Kavanaugh e eu estávamos no liceu”, dirá ainda.

“Bebia cerveja com os meus amigos. Às vezes, bebia demasiado”, dirá Kavanaugh

No seu depoimento, Kavanaugh, nomeado pelo Presidente Donald Trump para o Supremo Tribunal, reconhecerá que não foi perfeito no liceu mas negará veementemente a acusação de Ford, declarando-se “inocente”. “Eu bebia cerveja com os meus amigos, normalmente nos fins de semana. Às vezes, bebia demasiado”, dirá.

“Em retrospetiva, disse e fiz coisas no liceu que agora me fazem estremecer”, confessará, contrapondo, em seguida: “Mas não é por isso que estamos aqui hoje. Aquilo de que fui acusado é muito mais sério do que mau comportamento juvenil.”

Depois de Ford, mais três mulheres avançaram com acusações semelhantes contra o juiz. Na quarta-feira, Julie Swetnick revelou que conheceu Kavanaugh no liceu e que ele e os seus amigos adulteravam as bebidas das raparigas para as poderem violar. O juiz apelida as mais recentes alegações de “ridículas e vindas da Twilight Zone”.

Trump, que tem defendido a sua escolha para o Supremo, admitiu pela primeira vez a possibilidade de mudar de ideias em relação a Kavanaugh. “Estamos a dar às mulheres uma grande oportunidade para falarem. É possível que ao ouvi-las eu diga: ‘Ei, mudei de ideias!’. É possível”, afirmou esta quarta-feira. Contudo, não fechou totalmente a porta ao juiz: “Temos um homem ótimo, notável, mas que tem acusações contra ele. Já me aconteceu muitas vezes.”