Guerra na Ucrânia

As ajudas do ocidente devem acabar? "Se a Ucrânia parasse de lutar, não haveria Ucrânia. Se a Rússia parasse de lutar, haveria paz"

16 junho 2022 14:24

Ucranianos cercam um tanque russo destruído perto de Makariv, Kiev

anadolu agency

Justin Bronk integra o think tank britânico Rusi (Royal United Services Institute) e estuda, há seis anos, as Forças Armadas da Rússia. O investigador garante que os países ocidentais não serão atacados por Moscovo, que já está a ter em mãos, na Ucrânia, uma tarefa além das suas capacidades. Há, contudo, motivos para temer a Rússia nos próximos anos, numa ótica de revanchismo que Moscovo irá manter

16 junho 2022 14:24

O exército russo está perto dos seus limites ofensivos na Ucrânia, defende Justin Bronk. O investigador na área de Ciências Militares do britânico Rusi (Royal United Services Institute), especialista no estudo das defesas antiaéreas e forças aéreas da Rússia e da China, não o diz sem emitir outros alertas. na sua análise, não antecipa qualquer mudança de política por parte de Moscovo; pelo contrário, como quase todos os países que saem derrotados, a Rússia vai sentir a necessidade de regenerar o seu exército e de emergir de novo como o mais forte. Nesta entrevista ao Expresso, Bronk explica em que ponto estão as forças russas e para onde o Kremlin deverá caminhar.