Economia

Inflação abranda ligeiramente em novembro para 9,9%

30 novembro 2022 9:36

A variação homóloga do Índice de Preços no Consumidor situou-se nos 9,9% em novembro, valor que compara com 10,1% em outubro, indica a estimativa rápida publicada esta quarta-feira pelo Instituto Nacional de Estatística

30 novembro 2022 9:36

Com a escalada dos preços da energia a dar uma trégua, a inflação em Portugal abrandou ligeiramente em novembro, para 9,9%, indica a estimativa rápida do Instituto Nacional de Estatística (INE), publicada esta quarta-feira. É a primeira vez que a inflação abranda no país desde agosto.

Recorde-se que em outubro a inflação, medida pela variação homóloga do Índice de Preços no Consumidor (IPC), tinha atingido 10,1%, ultrapassando a barreira dos dois dígitos e sendo o valor mais alto desde maio de 1992, ou seja, em três décadas.

O que explica este abrandamento da inflação? O INE ainda não dá detalhes, mas sinaliza que terá muito a ver com os preços da energia.

De facto, a autoridade estatística nacional estima que a taxa de variação homóloga do índice relativo aos produtos energéticos terá diminuído para 24,8%, menos 2,8 pontos percentuais (p.p.) do que em outubro.

Piores são as notícias relativas aos alimentos. O INE adianta que os preços dos produtos alimentares não transformados terão subido 18,4% em novembro em termos homólogos, ligeiramente abaixo dos 18,9% de outubro. Só que, em sentido contrário, o INE estima uma “aceleração” nos preços dos produtos alimentares transformados, “que terão registado uma variação de 16,8%”, valor que compara com 14,1% em outubro.

Já em cadeia, ou seja, em relação ao mês anterior, a variação do IPC terá sido de 0,3% em novembro, abaixo dos 1,2% de outubro, indica o INE.

Quanto à variação média dos últimos 12 meses situou-se em novembro nos 7,3%, o que compara com 6,7% em outubro.

Por fim, o Índice Harmonizado de Preços no Consumidor (IHPC) português - a referência na Europa - terá registado uma variação homóloga de 10,3% em novembro, o que compara com 10,6% em outubro.