Economia

Medina aponta o dedo à direita: "Quem promoveu cortes nas pensões foram os senhores"

16 setembro 2022 12:01

Miguel Prado

Miguel Prado

Jornalista

O ministro das Finanças, Fernando Medina

O ministro das Finanças defendeu esta sexta-feira as medidas do Governo para as famílias, criticando os partidos de direita. “Connosco houve sempre aumentos das pensões. Connosco continuará a haver aumentos das pensões”, afirmou Medina

16 setembro 2022 12:01

Miguel Prado

Miguel Prado

Jornalista

O ministro das Finanças, Fernando Medina, aproveitou o debate desta sexta-feira no Parlamento sobre o pacote de medidas do Governo para as famílias para atacar os partidos de direita pelas críticas que estes fizeram sobre a medida do Governo relativa aos pensionistas. “Quem promoveu cortes nas pensões foram os senhores”, acusou Medina.

“Connosco houve sempre aumentos das pensões. Connosco continuará a haver aumentos das pensões”, declarou o ministro das Finanças no final da primeira parte do debate parlamentar desta sexta-feira.

“Acham que alguém se esquece do que os senhores fizeram, que foi um corte das pensões?”, questionou o ministro das Finanças, apontando baterias aos partidos da direita no Parlamento.

Na sua passagem pela Assembleia da República Fernando Medina criticou por mais de uma vez a direita por defender opções, em matéria de pensões, que passariam por dar aos portugueses a possibilidade de privatizar a gestão das contribuições para as reformas. Medina sublinhou que “a individualização dos riscos já causou noutros países quebras dos rendimentos dos pensionistas”.

O ministro das Finanças protestou ainda contra as críticas da oposição à medida do Governo que antecipa parte das atualizações previstas para 2023 através do pagamento, já em outubro, de meia pensão.

Essa medida tem sido criticada porque a atualização das pensões em 2023 será menor do que seria sem o desvio de parte dessa atualização para a meia pensão. E ao ser menor, há uma redução da base a partir da qual serão calculadas as atualizações das pensões em 2024.

O Governo tem indicado que caberá ao grupo de trabalho criado para estudar a sustentabilidade das pensões fazer propostas, ao longo do próximo ano, nesta matéria.

No Parlamento, Fernando Medina notou ainda, em críticas à direita, que “os partidos que nunca contribuíram para a sustentabilidade das pensões são agora aqueles que vêm rasgar as vestes”.