Economia

“A Apple está a brincar com fogo”. Republicanos alertam sobre uso de 'chips' chineses no novo iPhone

9 setembro 2022 11:35

eric thayer/getty images

Dois parlamentares republicanos alertaram a Apple que enfrentará escrutínio do Congresso se a empresa adquirir chips chineses para o novo iPhone 14

9 setembro 2022 11:35

Marco Rubio, vice-presidente republicano do comité de inteligência do Senado, e Michael McCaul, o principal republicano do comité de relações internacionais da Câmara, alertaram a Apple que enfrentará intenso escrutínio do Congresso se a empresa da Califórnia adquirir chips de um controverso fabricante chinês para o novo iPhone 14.

Segundo uma reportagem divulgada em alguns meios de comunicação, a Apple iria adicionar a Yangtze Memory Technologies (YMT) à sua lista de fornecedores devido aos semicondutores de memória, usados ​​para armazenar dados em smartphones.

“A Apple está a brincar com fogo”, disse Rubio ao “Financial Times”. “Conhece os riscos de segurança representados pelo YMT. Se avançar, estará sujeita ao escrutínio como nunca viu do governo federal. Não podemos permitir que empresas chinesas vinculadas ao Partido Comunista entrem nas nossas redes de telecomunicações e em milhões de iPhones dos americanos."

Em resposta, a Apple disse que não usa chips YMT em nenhum produto, mas disse que está “a avaliar a YMTC" para utilização dos seus semicondutores nos iPhones vendidos na China e não fora.

Em abril, o “Financial Times” noticiou que os Estados Unidos estavam a investigar a YMT por violar as regras de exportações norte-americanas, ao fornecer chips para a chinesa Huawei.

“A Apple efetivamente transferirá conhecimento e know-how para a YMT, o que aumentará as suas capacidades e ajudará o PCC [Partido Comunista Chinês] a atingir suas metas nacionais", disse McCaul.

Chuck Schumer, líder da maioria democrata no Senado, também levantou preocupações em particular com a secretária de Comércio Gina Raimondo sobre o YMT, indica ainda o jornal.

A Apple tem sido questionada pelos reguladores sobre a situação, mas estes não obtiveram resposta por parte da empresa. Além do mais, a Apple não comenta a investigação em curso.

Os avisos para a Apple chegam numa altura em que o governo Biden intensifica os esforços para tornar mais difícil para a China garantir tecnologia de ponta. Recentemente, os EUA disseram à Nvidia e à Advanced Micro Devices que teriam que obter licenças especiais para vender chips de inteligência artificial para empresas chinesas.