Economia

Aeroporto: Governo quer que a ANA avance já com o Montijo para mais tarde lançar Alcochete 

29 junho 2022 16:20

Pedro Lima

Pedro Lima

Editor-adjunto de Economia

josé caria

Atual aeroporto Humberto Delgado será para desmantelar

29 junho 2022 16:20

Pedro Lima

Pedro Lima

Editor-adjunto de Economia

O governo decidiu não esperar mais e avançar com uma nova proposta para o futuro aeroporto na região de Lisboa: o Montijo é para ficar pronto em quatro anos para depois se avançar com Alcochete. A decisão terá de aguardar a Avaliação Ambiental Estratégica (AAE).

No futuro e depois de estar feito Alcochete, o que se prevê que aconteça em 2035, o aeroporto Humberto Delgado será desmantelado. O Governo estima que a construção do aeroporto em Alcochete, com duas pistas, demore entre 10 a 13 anos.

É o Laboratório Nacional de Engenharia Civil (LNEC) quem vai fazer a AAE, que deverá estar pronto no prazo de um ano. O objetivo do governo é arranjar uma solução de curto e de longo prazo, sendo que a construção do Montijo é para arrancar em 2023. A sua conclusão está prevista para 2026.

Com esta decisão deixam de ser analisadas as três alternativas sobre as quais incidiria inicialmente a AAE: o aeroporto Humberto Delgado como principal infraestrutura e Montijo como complementar; Montijo com o estatuto progressivo de aeroporto principal; e Alcochete. A avaliação passará a ser apenas sobre a construção no Montijo e sobre a localização Alcochete como futuro aeroporto internacional.

Por outro lado, com a entrega da avaliação ambiental ao LNEC, o Governo afasta as dúvidas que existiam pelo facto de o consórcio vencedor do concurso incluir a empresa pública espanhola Ineco que participou na estruturação dos aeroportos de Espanha e é controlada pela concessionária de aeroportos ENAIRE, detida em 51% pelo Estado espanhol.

ANA paga as infraestruturas, o Estado as acessibilidades

A ANA já está a par desta solução e o Expresso sabe que o Governo não tenciona alargar o prazo da concessão da gestão dos aeroportos portugueses, que termina em 2062, na renegociação do contrato que terá de ser feita.

O governo não avança para já o valor dos investimentos previstos, até porque ainda é preciso definir os projetos. Mas o Ministério das Infraestruturas assegura que será a ANA a cobrir o investimento nas infraestruturas aeroportuárias, ficando a cargo do Estado as acessibilidades. Uma das acessibilidades que ficará a cargo do Estado será a terceira travessia do Tejo.

Em 2007 quando o LNEC fez a avaliação ambiental estratégica que apontava o Campo de Tiro de Alcochete com a localização indicada para o novo aeroporto internacional de Lisboa, o investimento previsto apontava para 4 a 5 mil milhões de euros. Já o valor previsto pela ANA para o investimento no Montijo ronda os 600 milhões de euros.

Para já, segundo o Ministério das Infraestruturas serão feitos investimentos de melhoria no Aeroporto Humberto Delgado. E estão previstos investimento de 200 a 300 milhões de euros em obras que permitirão melhor a fluidez da operação.

Notícia atualizada às 00:15