Economia

Inflação sobe para 5,3% em março, o valor mais alto desde 1994

31 março 2022 11:07

getty images

A taxa de variação homóloga do Índice de Preços no Consumidor em Portugal voltou a dar um salto em março, para os 5,3%, face aos 4,2% de fevereiro

31 março 2022 11:07

A escalada dos preços não dá tréguas e a inflação em Portugal voltou a acelerar em março, indica a estimativa rápida do Instituto Nacional de Estatística (INE), publicada esta quinta-feira. Os dados indicam que a variação homóloga do Índice de Preços no Consumidor (IPC) atingiu os 5,3%, o que compara com 4,2% em fevereiro e é o valor mais alto desde junho de 1994.

A energia está a impulsionar esta escalada da inflação. O INE estima que a taxa de variação homóloga do índice relativo aos produtos energéticos tenha atingido 19,8% em março, o que compara com 15% em fevereiro, e é o "valor mais elevado desde fevereiro de 1991", destaca a autoridade estatística nacional.

Mas a escalada dos preços extravasa os produtos energéticos e atinge também produtos essenciais, como os alimentos. O INE indica que o índice referente aos produtos alimentares não transformados terá apresentado uma variação homóloga de 5,9%, o que compara com 3,7% em fevereiro, e é um valor acima do índice geral.

Ou seja, os preços dos produtos alimentares não transformados estão a subir acima da média geral dos preços no país. Uma evolução que afeta em particular as famílias mais pobres.

Os dados definitivos e detalhados referentes ao IPC do mês de março serão publicados pelo INE a 12 de abril.

Quanto ao Índice Harmonizado de Preços no Consumidor (IHPC) - que é a referência para a inflação na zona euro - terá registado uma variação homóloga em Portugal, em março, de 5,5%, acelerando face aos 4,4% registados em fevereiro.

Os dados de março sobre a inflação na zona euro ainda não são conhecidos. O Eurostat publicará esta sexta-feira, 1 de abril, a estimativa rápida preliminar. Os últimos números disponíveis são de fevereiro, quando a taxa de inflação na zona euro atingiu 5,9%, um novo máximo histórico.