Economia

Guerra na Ucrânia não trava economia portuguesa, que entra em março a crescer mais de 14%

10 março 2022 12:16

nuno fox

A atividade económica não foi, para já, penalizada pelo conflito militar no leste europeu e continua acelerar face ao ano passado. Mas a comparação é feita com um período em que Portugal estava no segundo confinamento geral para travar a pandemia de covid-19

10 março 2022 12:16

A economia portuguesa voltou a acelerar no início de março, crescendo mais de 14% face ao ano passado, e reforçando a tendência positiva de fevereiro, sinaliza o indicador diário de atividade económica (DEI), calculado pelo Banco de Portugal (BdP), e cujos dados foram atualizados esta quinta-feira. A evolução deste indicador aponta que, pelo menos para já, a economia portuguesa não foi penalizada pela situação de guerra na Ucrânia. Mas o valor do DEI tem de ser lido com cautela, porque há um efeito de base importante a considerar: na mesma altura do ano passado o país estava ‘fechado’ no segundo confinamento geral para travar a pandemia de covid-19, o que ditou uma quebra da atividade.

Segundo uma nota publicada pelo BdP na sua página da internet, “na semana terminada a 6 de março, o indicador diário de atividade económica (DEI) aponta para uma taxa de variação homóloga da atividade superior à observada na semana anterior”.

Nessa semana – que abrange o período entre 28 de fevereiro e 6 de março, ou seja, já depois do início do conflito militar na Ucrânia – a média móvel semanal do DEI indica um crescimento homólogo da atividade económica de 14,5%. Isto depois de na semana anterior – que abrange o período entre 22 de fevereiro e 27 de fevereiro – registar uma expansão de 10%. Ao longo do mês de fevereiro a média semanal do DEI registou crescimentos entre 9% e 10%. Números expressivos, mas que são influenciados pelo efeito de base: na mesma altura do ano passado Portugal estava em confinamento geral – iniciado a 15 de janeiro e que se prolongou até meados de março.

O BdP calcula ainda a taxa trienal do DEI que traduz o crescimento acumulado num período de três anos. Esta taxa, na semana terminada a 6 de março, “estabilizou”, escreve o BdP. Esta taxa ficou, aliás, em terreno positivo, nos 4,1%, indicando que a atividade económica em Portugal ficou acima do registado na mesma semana de 2019, antes da pandemia de covid-19. A taxa trienal está em valores positivos desde meados de fevereiro, sinalizando que, desde essa altura, a atividade económica em Portugal tem estado acima do patamar pré-crise pandémica.

O DEI é um indicador compósito, calculado pelo BdP, que reúne dados de alta frequência e procura traçar um retrato, quase em tempo real, da evolução da atividade económica em Portugal. Assim, cobre diversas dimensões, sumariando a informação das seguintes variáveis diárias: tráfego rodoviário de veículos comerciais pesados nas autoestradas, consumo de eletricidade e de gás natural, carga e correio desembarcados nos aeroportos nacionais e compras efetuadas com cartões em Portugal por residentes e não residentes. Os dados são habitualmente atualizados à quinta-feira pelo BdP.