Economia

Demitiu-se o coordenador dos fundos europeus em Portugal

2 fevereiro 2022 13:18

Foto: Getty Images

Nuno Santos, presidente da Agência para o Desenvolvimento e Coesão (AD&C), abandona funções a 14 de fevereiro. Trabalhava desde novembro de 2020 sob a tutela do ministro do Planeamento, Nelson de Souza

2 fevereiro 2022 13:18

O presidente da Agência para o Desenvolvimento e Coesão (AD&C), Nuno Santos, apresentou a sua demissão ao ministro do Planeamento, Nelson de Souza.

Nuno Santos deixará de liderar a entidade que coordena a aplicação dos fundos europeus em Portugal a partir de 14 de fevereiro de 2022, num momento em que se aguarda a formação do novo Governo, que concluirá as negociações do próximo quadro comunitário – o Portugal 2030 – com a Comissão Europeia.

A rede de organismos que trabalha com a AD&C na execução do Portugal 2020 e demais fundos europeus foi informada de que se trata de “uma decisão exclusivamente pessoal” de Nuno Santos, relacionada com “uma oportunidade profissional alternativa”. A decisão vinha a ser ponderada desde há alguns meses e transformou-se num convite que Nuno Santos decidiu aceitar agora.

Nuno Santos foi convidado pelo ministro do Planeamento a assumir o cargo de presidente da AD&C em novembro de 2020. Como o Expresso anunciou então em primeira mão, o governante valorizou o facto de o antigo administrador da Gfi Portugal ser um perito nos sistemas de informação e na transição digital que veio a implementar na AD&C nos últimos meses.

A saída não deixa de surpreender quem nas últimas semanas acompanhou a AD&C a apresentar o seu plano estratégico e a assinar diferentes protocolos para facilitar a vida de quem investe com os fundos europeus. Para abril, Nuno Santos acabara de prometer o lançamento da nova “Linha dos Fundos” que promete tirar todas as dúvidas sobre os apoios do Portugal 2020, do Portugal 2030, e do Plano de Recuperação e Resiliência (PRR).

Duarte Rodrigues, vice-presidente da AD&C, ficará agora a substituir Nuno Santos na liderança da AD&C.