Economia

Grupo árabe IIBG queria comprar Efisa e Banco Português de Gestão. Supervisor recusou

Grupo árabe IIBG queria comprar Efisa e Banco Português de Gestão. Supervisor recusou

A transação envolvendo o Efisa foi aprovada em fevereiro de 2019 pelo Governo e em maio desse ano veio o contrato. Mas o dossiê continua sem luz verde do supervisor. IIBG já foi notificado e deverá retirar a proposta em breve

O Banco de Portugal (BdP) avisou o IIBGroup Holdings WLL (IIBG), do Bahrein, que não tem as condições necessárias para a compra de uma participação qualificada nos bancos portugueses Efisa e Banco Português de Gestão (BPG) ser aprovada, avança esta sexta-feira o "Jornal Económico".

O processo de venda do Efisa foi iniciado em 2015, quando foi constituí­do um veículo, a Pivot, de que o ex-ministro Miguel Relvas chegou a ser acionista, mas não foi bem-sucedido, porque a autorização do Banco Central Europeu nunca chegou. Foi depois aberto um concurso, tendo chegado ao IIBG.

A transação envolvendo o Efisa foi aprovada em fevereiro de 2019 pelo Governo e em maio desse ano veio o contrato. Mas o dossiê nunca mereceu a luz verde do supervisor e assim continua. Segundo o jornal, o IIBG já foi notificado há cerca de uma semana e em breve deverá retirar a proposta, que envolvia cerca de 27 milhões de euros.

Quanto ao BPG, a Fundação Oriente continua a querer alienar o BPG, e, de acordo com o semanário, já tem mais interessados.

Tem dúvidas, sugestões ou críticas? Envie-me um e-mail: piquete@expresso.impresa.pt

Comentários

Assine e junte-se ao novo fórum de comentários

Conheça a opinião de outros assinantes do Expresso e as respostas dos nossos jornalistas. Exclusivo para assinantes

Já é Assinante?
Comprou o Expresso?Insira o código presente na Revista E para se juntar ao debate
+ Vistas