Economia

Lagarde avisa que sem resposta coordenada vem aí uma crise como a de 2008

11 março 2020 9:58

frederick florin/getty images

Na videoconferência da reunião de líderes da União Europeia em que participou na terça-feira, a presidente do BCE alertou para um "cenário que recordará a grande crise financeira de 2008" se não houver uma resposta orçamental e monetária coordenada

11 março 2020 9:58

Se não houver uma resposta coordenada da política monetária e orçamental, a União Europeia corre o risco de "um cenário que recordará a muito de nós a grande crise financeira de 2008", avisou Christine Lagarde, a presidente do Banco Central Europeu (BCE), na intervenção realizada durante a videoconferência de líderes europeus realizada na terça-feira, segundo a Bloomberg.

Lagarde preside na quinta-feira à reunião de política monetária do BCE, a primeira depois do disparo da epidemia do Covid-19, num contexto de queda da inflação na zona euro em fevereiro e colapso das bolsas europeias, que já acumulam uma derrocada de 20% desde início do ano.

Na intervenção, a francesa afirmou que o BCE está a estudar todas as ferramentas de que dispõe para a decisão que vier a tomar na quinta-feira, mas avisou que sem uma atuação dos governos, os estímulos do BCE serão insuficientes, segundo a fonte da Bloomberg.

Recorde-se que os líderes europeus decidiram na terça-feira avançar com um pacote de estímulos de 25 mil milhões de euros, que soma à intervenções orçamentais já decididas pelos governos da Alemanha, Itália e Irlanda. Ao todo são apenas 60 mil milhões de euros, cerca de 0,4% do PIB da União.

Face à projeção global do coronavírus chinês e ao seu impacto nas economias e nos mercados financeiros, 14 bancos centrais - os últimos dos quais, da Islândia e do Reino Unido, esta quarta-feira - já procederam a cortes das taxas, com destaque para a Reserva Federal norte-americana, que realizou a um corte de emergência de 50 pontos-base. Esta quarta-feira, foi a vez do Banco de Inglaterra fazer o mesmo e descer a taxa diretora para o mínimo histórico de 0,25% que vigorou entre agosto de 2016 e putubro de 2017 em resposta ao triunfo do Brexit no referendo de junho d 2016.