Economia

Isabel dos Santos está na mira do Banco de Portugal após arresto de bens em Angola

2 janeiro 2020 17:29

mikhail metzel/getty images

"Os factos novos" existentes em relação a Isabel dos Santos, que viu arrestados pelas autoridades judiciais angolanas contas e participações em nove empresas, estão a ser tidos em conta pelo banco central português, "para efeitos de avaliação e/ou reavaliação da adequação" da empresária enquanto acionista qualificada do EuroBic.

2 janeiro 2020 17:29

O arresto de contas bancárias e participações em empresas de Isabel dos Santos, a filha mais velha do antigo presidente de Angola, está a ter impacto em Portugal, nomeadamente ao nível da supervisão. A justiça angolana congelou as contas bancárias de Isabel dos Santos, do marido Sindika Dokolo, e do seu braço direito Mário Leite da Silva, nos bancos BFA, BIC, BAI e Banco Económico.

Isabel dos Santos é a maior acionista do EuroBic, banco com sede em Portugal, e onde a empresária detém uma participação de 42,5%, através das holdings Santoro e Finisantoro. O presidente do EuroBic é o antigo ministro das Finanças, Fernando Teixeira dos Santos.

É no âmbito da participação qualificada de Isabel dos Santos no EuroBic que o Banco de Portugal esclarece, em declarações ao Expresso, que está a avaliar todos os factos à luz dos acontecimentos em Angola.

"No que se refere às questões de adequação (de administradores e acionistas), apenas se pode referir, que dadas as questões de segredo a que o banco central está vinculado, que o Banco de Portugal considera todos os factos novos que possam ser relevantes para efeitos de avaliação/reavaliação da adequação de quaisquer pessoas que exerçam funções de administração/fiscalização ou sejam acionistas de instituições por si supervisionadas", diz o supervisor liderado por Carlos Costa.

O banco central português diz ainda que está a trocar informação com outras autoridades a propósito das consequências do arresto de bens, sem no entanto identificar quais. "Para esse efeito o Banco de Portugal interage e troca informação, nos limites do quadro normativo aplicável, com todas as entidades e autoridades, nacionais e internacionais, de forma a poder consubstanciar factos que possam ser relevantes no contexto desse juízo", esclarece o banco. Ou seja, a avaliação da idoneidade de Isabel dos Santos enquanto acionista qualificada do EuroBic, banco supervisonado pelo Banco de Portugal.

Esclarece ainda que "Isabel dos Santos não integra o Conselho de Administração de nenhuma entidade sujeita à supervisão do Banco de Portugal", e não tem "qualquer outra participação social em qualquer outra instituição financeira supervisionada pelo Banco de Portugal".