Economia

Paulo Fernandes avança para a compra da TVI

14 agosto 2019 14:13

David Dinis

David Dinis

Director-adjunto

josé oliveira

Empresário Paulo Fernandes, CEO da Cofina, assinou memorando com a Prisa para garantir negociações exclusivas para a compra da TVI.

14 agosto 2019 14:13

David Dinis

David Dinis

Director-adjunto

Desta vez é a sério – e é formal: Paulo Fernandes, o dono da Cofina – grupo que inclui meios de comunicação como o Correio da Manhã, Record, Sábado e Jornal de Negócios, decidiu entrar em negociações para a compra da TVI à espanhola Prisa. Se ainda não há uma proposta formal da Cofina em cima da mesa, é já certo que o empresário assinou um memorando com a Prisa (MoU, Memorandum of Understanding na linguagem empresarial), há cerca de três semanas, que lhe garantiu exclusividade nas negociações, confirmou o Expresso junto de várias fontes envolvidas no processo.

Segundo apurou o Expresso, o empresário terá decidido fazer uma proposta depois das mudanças na estrutura de topo da televisão, com a saída de Rosa Cullell da direção executiva. Mas terá tido momento decisivo face a uma das primeiras decisões do novo CEO da televisão, Luis Cabral: o despedimento do antigo diretor comercial Paulo Lourenço, tido como próximo a Paulo Fernandes. O certo é que a reentrada em cena do dono da Cofina coincide, no tempo, com a decisão da TVI de reintegrar Paulo Lourenço, revertendo a ordem para a sua saída – uma informação confirmada junto de duas fontes diferentes.

Sem que haja ainda negócio fechado, a verdade é que mesmo na estação as negociações estão, desta vez, a ser levadas a sério. Isto depois de meses de contactos e alegadas conversações que acabaram por nunca avançar depois de ter fracassado a venda da TVI à Altice. Nos últimos meses, foram vários os argumentos usados para que nada tivesse avançado, da a desvalorização da TVI (derivada da rápida descida de audiências) ao valor baixo alegadamente proposto pelo empresário. O facto é que nunca avançou uma proposta formal.

Para já, garantindo as negociações exclusivas, Paulo Fernandes afastou de cena (pelo menos por um tempo) outros potenciais compradores que se têm falado, como o empresário Mário Ferreira. O homem ligado ao turismo no Douro ficou mesmo fora do negócio depois de ter estado envolvido pessoalmente no projeto com vários contactos com os acionista da Prisa, o fundo Vertix, e com a própria gestão da Prisa. apurou o Expresso junto de fonte próxima do empresário.

O Expresso contactou a Cofina, para obter uma confirmação oficial e tentar saber também o que acontecerá ao grupo, caso a operação de compra venha a revelar-se bem sucedida, mas fonte autorizada da empresa não quis fazer qualquer comentário. A Prisa também foi contada, mas ainda não foi possível obter qualquer resposta.