Economia

GoParity e Zeev juntam-se em financiamento colaborativo no negócio da mobilidade elétrica

1 março 2019 13:14

Miguel Prado

Miguel Prado

Jornalista

Carlos Jesus é o empresário que lançou a Zeev.

josé caria

A Zeev, empresa que se dedica ao negócio da mobilidade elétrica, quer angariar 150 mil euros de pequenos investidores para crescer, oferecendo juros de 4% durante seis anos

1 março 2019 13:14

Miguel Prado

Miguel Prado

Jornalista

A GoParity, plataforma de financiamento colaborativo que tem apostado sobretudo em projetos de energia solar, está a realizar uma campanha de angariação de 150 mil euros para financiar a Zeev, empresa que se dedica há vários anos à venda de veículos elétricos, soluções de carregamento e energia fotovoltaica.

A nova campanha de financiamento colaborativo é um empréstimo a 72 meses (seis anos) que renderá aos investidores 4% ao ano, com pagamento mensal de juros e capital.

O objetivo desta iniciativa é "a aquisição e integração de sistemas de gestão e apoio ao negócio, com o objetivo de otimizar custos e maximizar o potencial de receita", informou a GoParity. O montante angariado também servirá para investir numa melhor atratividade do showroom da Zeev e na melhoria da imagem da marca.

Nuno Brito Jorge, fundador da GoParity, explicou ao Expresso que este financiamento de 150 mil euros "faz parte de um plano de investimento maior da Zeev para os próximos meses". E porquê o recurso ao financiamento colaborativo em vez de ir buscar o dinheiro à banca comercial? "Há um alinhamento muito grande entre os nossos investidores e os clientes da Zeev", referiu Nuno Brito Jorge.

A ficha de investimento deste projeto alerta que quem investe não tem o seu retorno garantido e que o investimento não está coberto pelo Fundo de Garantia de Depósitos, mas Nuno Brito Jorge nota que os 150 mil euros são objeto de uma fiança de igual montante da empresa que detém a Zeev, a WBW Lda.

Embora neste projeto não haja tanta previsibilidade de receita como noutros financiamentos da GoParity, nomeadamente os que se destinam a viabilizar centrais de energia solar, Nuno Brito Jorge acredita que a operação será bem sucedida, porque a Zeev é uma empresa com provas dadas. "Não consigo dizer que este projeto tenha maior risco", afirma.

Em 2017 a Zeev faturou 3,1 milhões de euros (de onde retirou uma margem bruta de 819 mil euros e um lucro de 1396 euros). A empresa estima ter fechado 2018 com uma faturação de 3,48 milhões de euros (e uma margem bruta de 906 mil euros e um lucro de quase 58 mil euros).

Segundo a informação disponível na plataforma GoParity, a campanha da Zeev já captou 17% do montante pretendido. Globalmente, a GoParity já mobilizou até hoje mais de um milhão de euros de investimento, através de uma base de mais de 2 mil utilizadores, aos quais já foram reembolsados quase 150 mil euros.