Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Parpública com 44,12% da Inapa

A empresa que gere as participações do Estado, concentra agora 44,12% da Inapa, o correspondente a 33,3% dos direitos de voto. A participação foi comprada à Caixa Geral de Depósitos

A Parpública anunciou esta quinta-feira que as operações de concentração realizadas recentemente de tomada de participações na Inapa, num total de 35 milhões de euros de investimento, fazem com que a sua posição na empresa tenha subido para os 44,12%, o correspondente a 33,3% dos direitos de voto.

Em comunicado enviado à CMVM), a sociedade gestora de participações sociais informou que, no contexto da "estratégia de concentração das participações detidas por entidades públicas na Inapa, foram adquiridos à Direção Geral do Tesouro e Finanças lotes de ações daquela empresa - um lote de 148.888.866 ações preferenciais e outro de 3.564 ações ordinárias". A que se junta um milhão de ações ordinárias da Inapa adquiridas no último dia de 2018 à PARUPS, sociedade integralmente detida pelo Estado, e uma das que foi criada para gerir ativos do ex-BPN. Tinha também já sido anunciado no dia 4 deste mês a venda da participação da CGD na Inapa, de 33,3% do capital social.

No total, a Parpública detém agora 148.888.866 ações preferenciais e 50.088.302 ações ordinárias da Inapa. "No global, estas operações representam um montante próximo dos 35 milhões de euros", diz o comunicado da Parpública.

Em resultado destas operações, a participação da Parpública na INAPA passou a ser de 44,12% do respetivo capital social sendo que, nos termos do nº 1 do artigo décimo terceiro - a dos estatutos da INAPA - a participação acionista da Parpública confere-lhe 33,33% da totalidade dos direitos de voto correspondentes ao capital social.

O facto de estas participações já serem anteriormente detidas pelo Estado, ainda que indirectamente, faz com que a dimensão da participação agora nas mãos da Parpública não obrigue ao lançamento de OPA.

O Expresso questionou na segunda-feira o Ministério das Finanças sobre qual foi o propósito da compra pela DGTF da participação que a CGD tinha na Inapa e sobre que entidades e pessoas tinham conhecimento desta transação antes de ela ser comunicada ao mercado (na semana antes do anúncio da operação as ações da Inapa dispararam 30%), mas o Governo não respondeu até hoje.