Diário

Cinco candidatos àquele que promete ser o maior negócio do ano

José de Mello vai manter 20% da Brisa. Encaixe será pagar dívida e investir em novos negócios

paulo alexandrino

Negócio de venda de 80% da Brisa deverá ficar concluído no primeiro semestre. Há cinco candidatos à compra, num negócio que poderá ultrapassar os 3,5 mil milhões de euros e promete ser o maior do ano. A concessionária de autoestradas atraiu grupos europeus e um construtor chinês, que manteve a sua oferta, numa altura em que a Europa começa a olhar desconfiada para o investimento vindo do império do meio

20 abril 2020 18:21

Anabela Campos

Anabela Campos

texto

Jornalista

A venda de 80% da Brisa pela José de Mello e o fundo Arcus promete ser o negócio do ano, e nem a pandemia o trava. Houve cinco candidatos a apresentar propostas vinculativas, apurou o Expresso, e todas elas foram consideradas competitivas pelo grupo liderado por Vasco de Mello. Estão na corrida dois grupos espanhóis, a Abertis e a Global Via, o fundo de pensões holandês APG, o gigante da construção chinês China State Construction Engineering Corporation (CSCEC) e o consórcio liderado pelo francês Ardian. O grupo japonês Marubeni, dado como um possível candidato, acabou por não apresentar uma proposta.

O Grupo José de Mello e o grupo Arcus decidiram manter o negócio apesar de a economia mundial ter travado a fundo, o que causou alguma surpresa no mercado. Mas, tendo em conta, que houve cinco grupos a apresentar uma proposta vinculativa, a decisão revelou-se adequada.

Este é um artigo exclusivo. Se é assinante clique AQUI para continuar a ler. Para aceder a todos os conteúdos exclusivos do site do Expresso também pode usar o código que está na capa da revista E do Expresso.

Caso ainda não seja assinante, veja aqui as opções e os preços. Assim terá acesso a todos os nossos artigos.