ARQUIVO Diário

A história não contada das horas em que se aprovou a lei dos professores (e de uma fotografia polémica)

Os deputados dos quatro partidos que votaram a contagem de todo o tempo congelado das carreiras dos professores às voltas com o documento

d.r.

Assunção Cristas e Rui Rio foram mantidos a par das votações por telemóvel minuto a minuto. A deputada comunista Ana Mesquita liderou os trabalhos. E só depois de um festejo efusivo q.b. de Mário Nogueira é que a direita se começou a aperceber do impacto político do que acabara de fazer. A história das horas em que se aprovou a polémica lei dos professores, agora condenada (e dos deputados que protagonizaram a fotografia mais publicada da semana)

7 maio 2019 15:34

Mariana Lima Cunha

Mariana Lima Cunha

texto

Jornalista

No espaço de um minuto, todo o drama político que se desenrolou nos últimos dias e quase fez cair um Governo poderia ter sido evitado. Os líderes partidários teriam tido um fim de semana descansado, sem se desdobrarem em declarações e justificações para explicar aquela votação de quinta-feira. E, sobretudo à direita, ter-se-ia evitado o pânico e o alerta desencadeados pelas acusações de irresponsabilidade financeira que foram feitas desde então numa espécie de voz única, do primeiro-ministro aos comentadores políticos. E a solução para tudo isto até chegou a ser proposta… pela esquerda.

Esta história começa nos corredores da Assembleia da República, por onde os deputados se dirigiram, na quinta-feira passada, ao corredor das salas de comissões - era para a Sala 3 que estava marcada a votação que decidiria, finalmente, a lei dos professores. Passavam poucos minutos das 18h quando se começou a votação, alínea por alínea. Não tinha havido negociações entre a esquerda e a direita (só conversas entre PSD e CDS), mas também não era preciso: todos estavam mais do que a par das respetivas posições - afinal, este é um dossiê que se arrasta sem solução desde 2017 - e sabiam que havia um mínimo denominador comum: aprovar a recontagem dos 9 anos, quatro meses e dois dias que ficaram congelados, assim como a devolução imediata de dois desses anos.

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI
(acesso gratuito: basta usar o código que está na capa da revista E do Expresso. Pode usar a app do Expresso - iOS e Android - para descarregar as edições para leitura offline)