Diário

Carolina Michaelis, uma alemã apaixonada por Portugal

18 junho 2018 18:00

Anabela Natário

Anabela Natário

texto

Jornalista

João Carlos Santos

João Carlos Santos

ilustração

Fotojornalista

De menina precoce a filóloga consagrada, foi a primeira mulher a ensinar numa universidade portuguesa e uma das duas primeiras a entrar na Academia de Ciências. Nasceu na Alemanha, mas tornou-se portuguesa. Personagens famosas no seu tempo e praticamente esquecidas, umas menos outras mais, é do que trata esta rubrica de pequenas biografias

18 junho 2018 18:00

Anabela Natário

Anabela Natário

texto

Jornalista

João Carlos Santos

João Carlos Santos

ilustração

Fotojornalista

Será portuguesa por casamento, por amor a um homem que a levou a apaixonar-se pelo país. Sobredotada em menina, foi a primeira professora do ensino superior em Portugal, numa altura em que o número de alunas em Coimbra não chegava ao meio por cento do total. Será dona de casa, esposa, mãe, avó, amiga, defensora dos direitos das mulheres, correspondente de eruditos europeus, professora, investigadora, escritora… há de queixar-se por o seu dia não ter 36 horas.

Wilhelme Michaëlis de solteira, Vasconcelos quando casada, Carolina nasceu a 15 de março de 1851 em Berlim. A mãe, Henriette Louise Lobeck, morreu quando ela tinha 12 anos. Educaram-na o pai Gustav Michaelis, professor liceal de matemática e, mais tarde, de fonética e estenografia na universidade; o filólogo Eduard Matzner; e Carl Goldbeck, o mestre que a orientou em casa, dos 16 aos 25 anos, porque o ensino superior era exclusivo do sexo masculino.

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI
(acesso gratuito para Assinantes ou basta usar o código que está na capa da revista E do Expresso, pode usar a app do Expresso - iOS e android - para fotografar o código e o acesso será logo concedido)